Ciência

Podemos ter mais de 1 milhão de doses de vacina, diz pesquisador de Oxford

"Certamente existirão 1 milhão de doses em torno de setembro", afirmou Adrian Hill

Vacinas: produção depende de quão rápido os testes em estágio avançado serão concluídos (Athit Perawongmetha/Reuters Business)

Vacinas: produção depende de quão rápido os testes em estágio avançado serão concluídos (Athit Perawongmetha/Reuters Business)

Mariana Martucci

Mariana Martucci

Publicado em 20 de julho de 2020 às 16h15.

Última atualização em 20 de julho de 2020 às 16h57.

Estimativas iniciais de produção de 1 milhão de doses da vacina experimental contra covid-19 da Universidade de Oxford até setembro podem estar subestimadas dependendo de quão rápido os testes em estágio avançado serão concluídos, disse um pesquisador nesta segunda-feira.

"Pode haver 1 milhão de doses fabricadas até setembro: isso agora parece uma notável subestimativa, dada a escala do que está acontecendo", disse Adrian Hill, da Universidade de Oxford, referindo-se à capacidade de produção da AstraZeneca, parceira da universidade no desenvolvimento da vacina.

"Certamente existirão 1 milhão de doses em torno de setembro", acrescentou.

Ele acrescentou que é possível as vacinas estarem disponíveis até o final do ano.

Duas doses

A AstraZeneca está inclinada a testar duas doses altas de sua vacina experimental contra a covid-19 nos estágios avançados de testes em vez de se concentrar na aprovação de uma dose única ou doses baixas da vacina, segundo o chefe da área de biofarma da empresa.

"No momento, a coisa segura a fazer é ir com duas doses, e então vamos começar a explorar doses únicas ou doses baixas", disse a jornalistas Mene Pangalos, vice-presidente executivo de Biofarmacêutica e Pesquisa e Desenvolvimento da empresa.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusEstados Unidos (EUA)PandemiaSaúdeUniversidade de Oxfordvacina contra coronavírusVacinas

Mais de Ciência

Colisão de asteroides é flagrada pelo telescópio James Webb

Componente de protetores solarares encontrado em alimentos gera preocupação nos EUA

Nova promessa de tratamento para Alzheimer avança nos EUA. Como o medicamento funciona?

Por que uma dieta baseada em vegetais nem sempre é saudável?

Mais na Exame