Observação rara detecta fusão entre buracos negros e estrelas de nêutrons

O registro da interação deste dois tipos de corpos celestes é inédita e remetem há 1 bilhão de anos
 (ESO/Divulgação)
(ESO/Divulgação)
A
André Lopes

Publicado em 29/06/2021 às 11:59.

Última atualização em 30/06/2021 às 09:28.

Encontrar o singular é um dos trabalhos de quem faz observações astronômicas. Na infinidade do universo, o acaso comumente cria o raro, ainda que seja difícil olhar para ele. Mas foi se guiando neste sentido que, pela primeira vez na história, astrônomos que observavam ondas gravitacionais concluíram que coletaram dados que narram a cena de uma colisão entre dois dos objetos colossais: um buraco negro e uma estrela de nêutrons.

Estes corpos celestes por si só já são extremamente difíceis de serem estudados. Considere que buracos negros são o resultado da "morte" de estrelas com massas muito superiores à do Sol, são densos e 'invisíveis'. Já as estrelas de nêutrons são como sobras das explosões de estrelas bastante massivas, mas ainda assim sem massa suficiente para se tornar buracos negros. Uma interação assim é como ver a dança cósmica de seres mitológicos.

Os estudo foram publicados na revista The Astrophysical Journal Letters nesta terça-feira, 29, e mostram as deformações no tecido do espaço-tempo que foram registradas pelos observatórios Ligo (EUA), Virgo (Itália) e Kagra (Japão) e remetem há longínquos 1 bilhão de anos, segundo foi relatado pelos pesquisadores.

No primeiro registro, detectado em 5 de janeiro de 2020, foi possível aferir que a emissão ocorreu há 900 milhões de anos, quando um buraco negro com massa quase nove vezes superior à do Sol devorou uma pequena estrela de nêutrons com massa quase duas vezes maior que a do Sol.

Já o segundo, de 15 de janeiro de 2020, narra o processo de colisão de um buraco negro com uma estrela de nêutrons a 1 bilhão de anos-luz da Terra. Esses dois corpos tinham massas 5,7 e 1,5 vezes superiores à do nosso Sol, respectivamente.

Previstas na Teoria da Relatividade Geral de Albert Einstein, as ondas gravitacionais são ondulações no tecido do espaço-tempo provocadas por eventos cósmicos violentos envolvendo corpos superdensos. Sua existência foi comprovada em 2015, com a detecção de ondas provocadas pela fusão entre dois buracos negros, graças à evolução da tecnologia nos observatórios criados para captar esse tipo de fenômeno.

Até então, no entanto, não havia sido possível captar sinais referentes a colisões entre buracos negros e estrelas de nêutrons. A descoberta de hoje da sinais de que o raro pode se tornar um pouco mais comum.

Assine a EXAME e fique por dentro das últimas notícias da ciência e da tecnologia.