Ciência

Nova variante do coronavírus é mais transmissível, diz estudo

Quando uma pessoa é infectada pela B.1.1.7, ela consegue passar a doença para mais indivíduos do que as infectadas por outras variantes

Coronavírus: doença já matou mais de 1,3 milhão de pessoas (Getty Images/Getty Images)

Coronavírus: doença já matou mais de 1,3 milhão de pessoas (Getty Images/Getty Images)

Tamires Vitorio

Tamires Vitorio

Publicado em 4 de janeiro de 2021 às 09h07.

Um estudo preliminar feito pela Imperial College London indica que a nova variante do coronavírus é mais transmissível que a covid-19. A B.1.1.7 (como é chamada), segundo os pesquisadores, aumenta o número R dos infectados entre 0.4 e 0.7, o que torna o vírus ainda mais infeccioso – isso significa que, quando uma pessoa é infectada pela B.1.1.7, ela consegue passar a doença para mais indivíduos do que as infectadas por outras variantes.

Para chegar a essa conclusão, os cientistas analisaram dados de sequenciamento genético e epidemiológicos. A variante, que surgiu no Reino Unido, já circula desde setembro de 2020, e se tornou uma das mais comuns no país, principalmente em locais mais populosos, como é o caso de Londres.

A B.1.1.7 se espalhou rapidamente pelo território britânico e já haviam suspeitas de que ela era mais transmissível que as demais, mas o estudo pode confirmar a suspeita, assim que for revisado por pares.

"Essas análises, que informaram o governo britânico nas últimas semanas, mostram que a nova variante tem um nível substancialmente mais alto de transmissão do que os vírus do SARS-CoV-2 anteriores que circulavam no Reino Unido. Isso tornará o controle mais difícil e acentuará a urgência de vacinar a população o mais rápido possível", afirmou o professor Neil Ferguson, um dos autores do estudo.

 

O Reino Unido, um dos países mais afetados pela covid-19 na Europa, está passando por mais uma fase complicada após a identificação da nova variante, com 2.662.699 casos confirmados e 75.137 mortes, segundo o monitoramento em tempo real da universidade americana Johns Hopkins.

Na última quinta-feira, 31, o Ministério da Saúde confirmou que o Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde de São Paulo foi notificado pelo laboratório de medicina diagnóstica Dasa da suspeita de dois casos de uma nova variante do novo coronavírus (SARS-CoV-2) no estado de São Paulo. O Brasil, terceiro país com o maior número de casos, atrás somente dos Estados Unidos e da Índia, tem 7.733.746 doentes e mais de 196 mil mortos.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusDoençasEpidemiasPandemiaPesquisas científicas

Mais de Ciência

Ozempic reduz risco de morte para pessoas com diabetes, revela estudo

Einstein estava certo sobre a gravidade em buracos negros, diz estudo

'Saquinho' de nicotina ganha adeptos para perda de peso

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Mais na Exame