Ciência

Johnson & Johnson: proteção contra covid aumenta para 94% com 2º dose

A J&J informou que a segunda dose administrada dois meses após a primeira aumentou os níveis de anticorpos de quatro a seis vezes

Vacina contra covid: proteção é de 70% com a dose única (Dado Ruvic/Illustration/File Photo/Reuters)

Vacina contra covid: proteção é de 70% com a dose única (Dado Ruvic/Illustration/File Photo/Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 21 de setembro de 2021 às 08h13.

Última atualização em 21 de setembro de 2021 às 08h54.

A Johnson & Johnson informou nesta terça-feira, 21, que a aplicação de uma segunda dose de sua vacina contra covid-19, administrada cerca de dois meses após a primeira, aumentou sua eficácia para 94% contra as formas moderadas a graves da doença. A proteção é de 70% com a dose única.

  • Entenda como o avanço da vacinação afeta seus investimentos. Assine a EXAME.

Os dados da J&J vão ajudar na defesa de uma dose de reforço junto aos reguladores dos EUA, mesmo quando a empresa enfatiza a durabilidade de sua vacina de injeção única como uma ferramenta para aliviar a pandemia global.

O presidente Joe Biden está pressionando por doses de reforço em meio ao aumento de hospitalizações causadas pela variante Delta e a J&J, única farmacêutica com uma vacina de dose única aprovada nos Estados Unidos, tem estado sob pressão para produzir evidências sobre a eficácia de uma dose adicional.

A empresa agora "gerou evidências de que uma injeção de reforço aumenta ainda mais a proteção contra COVID-19", disse o Dr. Paul Stoffels, diretor científico da J&J, em um comunicado.

A J&J disse que um reforço administrado dois meses após a primeira dose aumentou os níveis de anticorpos de quatro a seis vezes. Quando administrado seis meses após a primeira dose, os níveis de anticorpos aumentaram doze vezes, conforme dados divulgados no mês passado, sugerindo uma grande melhora na proteção com o intervalo mais longo entre as doses.

O estudo de fase III de duas doses da J&J foi realizado com 30.000 participantes e testou a a segunda dose foi administrada 56 dias após a primeira em adultos com 18 anos ou mais.

 

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusJohnson & JohnsonVacinas

Mais de Ciência

Einstein estava certo sobre a gravidade em buracos negros, diz estudo

'Saquinho' de nicotina ganha adeptos para perda de peso

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Meteoros de rastros do Halley podem ser vistos na madrugada de domingo

Mais na Exame