Ciência

HPV e câncer: entenda a relação e a importância da prevenção

Sintomas desse diagnóstico se confundem com as de um resfriado comum e alergias sazonais

André Lopes
André Lopes

Repórter

Publicado em 24 de maio de 2023 às 11h05.

Última atualização em 24 de maio de 2023 às 11h06.

O vínculo entre a infecção por papilomavírus humano (HPV) e determinados cânceres cervicais é um conhecido campo de pesquisa na área médica.

Entretanto, um aspecto ainda pouco divulgado refere-se à conexão desta infecção com o aumento do risco para o desenvolvimento de cânceres orofaríngeos.

De acordo com os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, a vacinação contra HPV é recomendada a todos os indivíduos, antes da exposição ao vírus, na faixa etária de 11 a 12 anos.

No Brasil, o Ministério da Saúde indica a vacinação para meninas e mulheres entre 9 e 26 anos, e para meninos de 9 a 14 anos, sendo que a eficácia é mais expressiva se a imunização ocorrer entre os 9 e 14 anos.

O que é o HPV?

Em termos gerais, o HPV é uma infecção viral que provoca o aparecimento de excrescências ou verrugas na pele. É considerada a infecção sexualmente transmissível mais prevalente nos EUA, contabilizando mais de 42 milhões de pessoas infectadas. A entrada do vírus no organismo ocorre geralmente por meio de um corte, lesão ou pequeno ferimento na pele e pode ser transmitido por contato sexual ou contato com a pele.

Quando a infecção por HPV ocorre, em muitos casos o sistema imunológico combate o vírus antes do surgimento de verrugas, tornando a infecção assintomática e muitas vezes desconhecida pelo indivíduo.

A relação entre o HPV e o câncer

As variantes de HPV têm a capacidade de levar ao desenvolvimento de câncer. Quase todos os cânceres cervicais são atribuídos à infecção por HPV.

Outros cânceres, como os da boca e garganta, também podem estar associados ao HPV, mas costumam apresentar uma natureza menos agressiva quando comparados a cânceres não vinculados ao vírus.

Os sintomas não específicos de câncer bucal e de garganta

A infecção por HPV pode comprometer a boca e a garganta, gerando câncer de orofaringe, que abrange a parte posterior da garganta, a base da língua e as amígdalas. Há um risco maior para homens serem diagnosticados com este tipo de câncer, em virtude de comportamentos que aumentam os riscos, como o uso de tabaco, o consumo exagerado de álcool e a má alimentação.

Um desafio para o diagnóstico de câncer orofaríngeo reside no fato de muitos sintomas se confundirem com outras doenças ou condições e não serem específicos para o câncer.

Existem várias opções de tratamento para câncer orofaríngeo, dependendo de fatores como a localização e o estágio do câncer, os tipos de células envolvidas, se as células apresentam sinais de infecção por HPV, a saúde em geral, e as preferências pessoais.

Como prevenir câncer bucal e de garganta

Ainda que não haja uma maneira comprovada de evitar os cânceres bucal e de garganta, é possível colocar em prática estas etapas para reduzir os riscos:

  • Tomar a vacina contra o HPV. O CDC descobriu que mais de 90 por cento dos cânceres causados por HPV poderiam ser evitados pela vacinação. No momento, o CDC recomenda que todas as crianças entre 11 e 12 anos recebam duas doses de vacina contra o HPV com pelo menos 6 meses de intervalo. Os adolescentes e jovens adultos com até 26 anos de idade também podem ser vacinados. Alguns adultos entre 27 e 45 anos podem decidir receber a vacina contra o HPV com base nas orientações da equipe de cuidados de saúde. Caso não seja possível receber a vacina contra o HPV, é recomendável diminuir a exposição ao risco de infecção por HPV diminuindo o número de parceiros ou parceiras sexuais e usando preservativo ou protetor bucal de látex durante as relações sexuais.
  • Não fumar ou usar tabaco. Caso fume ou use tabaco sem fumaça, é recomendável parar. Parar de fumar pode ser desafiador, portanto, converse com a equipe de cuidados médicos sobre as estratégias de abandono do tabagismo, como uso de medicamentos, aconselhamento e produtos de substituição de nicotina.
  • Consumir álcool moderadamente, se possível parar. Caso decida consumir álcool, é recomendável fazê-lo com moderação. Para adultos saudáveis, estamos falando de uma dose de bebida por dia para as mulheres e duas para os homens.
  • Consumir uma dieta rica em frutas e vegetais. As vitaminas e antioxidantes presentes nas frutas e vegetais podem reduzir o risco de câncer de garganta. É recomendável consumir uma variedade colorida de frutas e vegetais.
  • Usar uma máscara respiratória se estiver perto de produtos químicos perigosos. Reduza a exposição a produtos químicos usando uma máscara respiratória e outros equipamentos de proteção individual.
Acompanhe tudo sobre:DoençasDoenças sexualmente transmissíveis

Mais de Ciência

Colisão de asteroides é flagrada pelo telescópio James Webb

Componente de protetores solarares encontrado em alimentos gera preocupação nos EUA

Nova promessa de tratamento para Alzheimer avança nos EUA. Como o medicamento funciona?

Por que uma dieta baseada em vegetais nem sempre é saudável?

Mais na Exame