Ciência

Futuro seguro para todos depende de mais ações net zero

Novo relatório do Climate Crisis Advisory Group reforça a importância de ampliar iniciativas para reduzir emissões

Pessoas em Londres entram em #GreveGlobalPeloClima (Hannah McKay/Reuters)

Pessoas em Londres entram em #GreveGlobalPeloClima (Hannah McKay/Reuters)

O mais novo relatório do Climate Crisis Advisory Group (CCAG), um grupo independente de 15 especialistas de 11 nações, incluindo autoridades em ciência do clima, emissões de carbono, energia, meio ambiente e recursos naturais, adverte que chegar a zero emissões líquidas (net zero) de gases de efeito estufa até 2050 será “um pouco tarde demais”.

Essa meta, segundo o documento, não atingirá os objetivos de temperatura de longo prazo identificadas no Acordo de Paris para limitar o aquecimento global para 1,5° C até o final do século.

Com base nas descobertas publicadas recentemente pelo Sexto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), o CCAG afirma que as metas de emissões globais atuais são inadequadas e que estratégias líquidas negativas – em vez de zero líquidas (net zero) – são necessárias.

David King, presidente do CCAG, comentou em nota que “alcançar o net zero até 2050 não é mais suficiente para garantir um futuro seguro para a humanidade”. Segundo ele, é preciso revisar as metas globais além do net zero e se comprometer com estratégias negativas líquidas urgentemente.

Momentos decisivos

Mercedes Bustamante, professora da UnB (Universidade de Brasília) e integrante do CCAG, disse à EXAME que os próximos nove anos até 2030 são criticamente decisivos e colocarão em marcha mudanças que impactarão a humanidade durante os próximos séculos, se não milênios. “É agora que vamos determinar se podemos manter o aquecimento na meta de ‘bem abaixo de 2°C’ e se possível ‘limitar a 1,5°C’.”

Ela ressalta que o documento do CCAG alerta que a próxima rodada de compromissos nacionais de redução de emissões terá que ampliar os esforços para garantir um futuro seguro para todos.

“É ainda mais claro que enquanto a redução de emissões é uma parte essencial da luta contra a mudança climática, ela não será suficiente para evitar a elevação do nível do mar, o descongelamento permafrost, a amplificação de eventos climáticos extremos, e outras mudanças relacionadas ao clima”, diz. “Seguindo um caminho que leva a emissões líquidas zero apenas em 2050 é muito pouco e tarde demais.”

Segundo Mercedes, a redução rápida e imediata das emissões de gases de efeito estufa deve ser acompanhada de ações igualmente rápidas de criação de sumidouros de carbono ao redor o mundo, de modo a alcançar emissão líquida zero de gases de efeito estufa o mais rápido possível.

“O setor público e o setor privado devem atuar de forma coordenada, rápida e eficaz. As políticas públicas de clima são muito importantes assim como o compromisso de setor privado em prover e implementar soluções. Tais soluções devem ser transparentes e monitoradas por governos e sociedade para que sua

eficácia possa ser comprovada.”

Acompanhe tudo sobre:JBSNetZero

Mais de Ciência

Ozempic reduz risco de morte para pessoas com diabetes, revela estudo

Einstein estava certo sobre a gravidade em buracos negros, diz estudo

'Saquinho' de nicotina ganha adeptos para perda de peso

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Mais na Exame