Ciência

Fundador do PayPal quer edição genética acessível

Ferramenta promete tornar a modificação do DNA mais rápida e barata

. (Reprodução/Getty Images)

. (Reprodução/Getty Images)

São Paulo - Na última terça-feira (23), uma startup fundada por ex-engenheiros da SpaceX, empresa de transporte espacial criada pelo bilionário Elon Musk, recebeu um investimento de 110 milhões de dólares (cerca de 410 milhões de reais, em conversão direta) do fundo de investimentos de Peter Thiel, um dos fundadores do sistema de pagamentos online PayPal.

O objetivo do aporte é financiar o desenvolvimento de uma ferramenta de edição genética que possa ter um preço acessível para os cientistas.

Peter Thiel, investidor e empreendedor

Peter Thiel, investidor e empreendedor (Getty Images/Getty Images)

A startup, chamada Synthego, vem trabalhando na venda de kits da ferramenta Crispr de edição de genoma, que permite aos cientistas investigar a cura para doenças raras, entre outras ações.

A  Crispr (Repetições Palindrômicas Curtas Agrupadas e Regularmente Interespaçadas, em tradução do inglês) é um padrão de genoma encontrado em bactérias que permite que uma sequência de DNA seja repetida diversas vezes, com sequências únicas entre as repetições. Sua descoberta é considerada uma grande esperança de manipulação dos códigos genéticos, porém seu uso pela comunidade científica ainda é restrito devido à ação de órgãos reguladores e ao seu preço elevado (alguns sistemas de terapia genética chegam a custar 1 milhão de dólares).

A Crispr é uma das diversas apostas da área da terapia genética, que envolve a modificação do DNA de uma pessoa para abordar a causa de uma doença hereditária. Os médicos pegam uma amostra das células doentes de alguém, corrigem os erros no código e devolvem as células corrigidas ao corpo da pessoa. Com o tempo, segundo os geneticistas, as células saudáveis ​​superam as doentes e a doença desaparece.

“Tão acessíveis quanto vacinas”

O objetivo da Synthego é facilitar o acesso dos cientistas à Crispr vendendo kits “prontos para usar”. O principal produto da startup ajuda os cientistas a estudar curas potenciais por meio do empacotamento de Crispr em um formato fácil de manipular. "Uma das coisas que estamos fazendo com nossa plataforma Crispr é torná-la pronta para uso clínico", disse Paul Dabrowski, CEO da Synthego, em entrevista ao site Business Insider.

Dabrowski afirma que os kits produzidos pela Synthego diminuem significativamente o tempo e o custo de fazer a pesquisa e o desenvolvimento da terapia genética, facilitando enormemente o processo. "Acreditamos que será possível fazer terapias celulares e genéticas que sejam tão acessíveis quanto as vacinas", disse o engenheiro.

Acompanhe tudo sobre:BiomedicinaDNAGenéticaSpaceXStartups

Mais de Ciência

Colisão de asteroides é flagrada pelo telescópio James Webb

Componente de protetores solarares encontrado em alimentos gera preocupação nos EUA

Nova promessa de tratamento para Alzheimer avança nos EUA. Como o medicamento funciona?

Por que uma dieta baseada em vegetais nem sempre é saudável?

Mais na Exame