Ciência

Estudo de Stanford indica possível novo efeito colateral da covid-19

Mesmo pessoas que se recuperaram da covid-19 podem ter efeitos colaterais, e pesquisadores da Universidade de Stanford apontam em novo estudo mais um deles

Estudo sobre o novo coronavírus: Segundo os pesquisadores, após uma no hospital, cerca de 20% dos pacientes com covid-19 criaram anticorpos para seus próprios tecidos que não existiam antes (Agência Brasil/Agência Brasil)

Estudo sobre o novo coronavírus: Segundo os pesquisadores, após uma no hospital, cerca de 20% dos pacientes com covid-19 criaram anticorpos para seus próprios tecidos que não existiam antes (Agência Brasil/Agência Brasil)

DR

Da Redação

Publicado em 25 de setembro de 2021 às 09h54.

Última atualização em 25 de setembro de 2021 às 15h13.

Mesmo pessoas que se recuperaram da covid-19 podem ter efeitos colaterais, e pesquisadores da Universidade de Stanford apontam em novo estudo mais um deles. Publicada no periódico Nature Communications, a pesquisa indica a possibilidade de anticorpos de um indivíduo recuperado da infecção pelo novo coronavírus atacar o próprio corpo do paciente. Esse comportamento do sistema imunológico pode estar ligado ao desenvolvimento de doenças autoimunes.

“Se você ficar doente o suficiente com o covid-19 para acabar no hospital, você não pode sair de perigo, mesmo depois de se recuperar,” afirmou, em nota, Paul Utz, professor de imunologia e reumatologia da Medicina de Stanford.

Segundo os pesquisadores, após uma no hospital, cerca de 20% dos pacientes com covid-19 criaram anticorpos para seus próprios tecidos que não existiam antes. “Em muitos casos, esses níveis de autoanticorpos eram semelhantes aos que você veria em uma doença autoimune diagnosticada”, disse Utz.

No estudo, foram analisadas amostras de sangue de cerca de 200 pacientes hospitalizados devido à covid-19.

Em outros estudos, a covid-19 já foi relacionada ao desenvolvimento de doenças autoimunes, como a esclerose múltipla, o lúpus e a Síndrome de Guillain-Barré.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusMedicinaPesquisas científicasSaúdeUniversidade Stanford

Mais de Ciência

Virgin Galactic faz último voo espacial antes de um hiato de dois anos

Gel pode virar tratamento contraceptivo para homens

Beber álcool antes de dormir no avião traz risco para a saúde, revela estudo

Painel da FDA rejeita MDMA para tratar estresse pós-traumático

Mais na Exame