Ciência

Depois da SpaceX, Blue Origin também levará astronautas à Lua

Nesta sexta, o bilionário Jeff Bezos, fundador da companhia, tuitou que era "uma honra ser parte desta viagem com a Nasa"

Blue Origin: novo contrato firmado com a Nasa  (PATRICK T. FALLON/Getty Images)

Blue Origin: novo contrato firmado com a Nasa (PATRICK T. FALLON/Getty Images)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 20 de maio de 2023 às 10h36.

Dois anos depois de firmar um primeiro contrato com a SpaceX, a Nasa anunciou, nesta sexta-feira (19), que escolheu a companhia espacial americana Blue Origin para construir um segundo sistema de alunissagem, destinado a transportar astronautas para a superfície da Lua.

O módulo de alunissagem foi selecionado pela agência espacial dos Estados Unidos para a missão Artemis 5, prevista para 2029. Antes disso, terá que comprovar sua segurança pousando na Lua sem tripulação.

Nesta sexta, o bilionário Jeff Bezos, fundador da Blue Origin, tuitou que era "uma honra ser parte desta viagem com a Nasa".

O contrato foi estimado em 3,4 bilhões de dólares (quase R$ 17 bilhões), mas John Couluris, vice-presidente de transporte lunar da Blue Origin, disse, em entrevista coletiva que a empresa contribuiria "muito além" desse valor para desenvolver a nave.

Artemis é o programa da agência espacial americana de retorno à Lua, que consiste em várias missões de dificuldade crescente.

Começou com a missão Artemis 1, que enviou uma nave espacial ao redor da Lua em novembro de 2022, sem tripulação.

A missão Artemis 2 enviará quatro astronautas ao entorno da Lua no segundo semestre de 2024, mas sem chegar a alunissar. Recentemente, revelou-se a identidade dos escolhidos, três americanos e um canadense.

A Artemis 3 será então a primeira missão que colocará astronautas na superfície lunar desde 1972. Está oficialmente programada para o fim de 2025, um cronograma que, ao que tudo indica, não será cumprido.

As duas missões seguintes, Artemis 4 (2028) e Artemis 5 (2029), também pousarão na Lua, mas passarão primeiro por uma nova estação espacial em órbita lunar, a Gateway, que ainda não existe.

Concorrência

Em 2021, a Nasa escolheu a SpaceX para construir o módulo de alunissagem da Artemis 3. O contrato foi avaliado em 2,9 bilhões de dólares (aproximadamente R$ 15 bilhões, em valores atuais) mas a SpaceX contribui com fundos que vão além desse montante.

A Blue Origin, que também competia por esse primeiro contrato, processou a Nasa, acusando a agência de ter escolhido uma só empresa para esta missão e não duas, como havia pretendido inicialmente, uma prática comum para que haja um plano B em caso de falha. Por fim, o processo foi arquivado.

Em 2022, SpaceX voltou a ser escolhida pela Nasa, desta vez para ficar responsável pelo módulo de alunissagem da missão Artemis 4. Ao mesmo tempo, a agência americana convocou outras empresas para participarem da licitação para o restante do programa.

"Queremos mais concorrência. Queremos dois módulos de alunissagem", afirmou nesta sexta o administrador da Nasa, Bill Nelson. "Assim, tem-se mais confiabilidade e uma alternativa de apoio", acrescentou.

O módulo de alunissagem da Blue Origin, denominado Blue Moon, terá 16 metros de altura e pesará 45 toneladas quando estiver cheio de combustível (hidrogênio líquido e oxigênio).

Diversas empresas são sócias no projeto: Boeing, Draper, Astrobotic, Honeybee Robotics e Lockheed Martin.

Esta última ficará responsável por desenvolver um elemento crucial da missão. Uma vez na órbita lunar, a Blue Moon deverá ser reabastecida com combustível antes de poder descer e recolher os astronautas da superfície da Lua.

A Lockheed Martin deve desenvolver uma espécie de transportador, capaz de reabastecer a Blue Moon no entorno da Lua.

A Blue Origin planeja usar seu foguete New Glenn, que nunca voou antes, para lançar tanto o módulo de alunissagem como esse transportador.

Prelúdio para Marte

Os astronautas viajarão a bordo da cápsula Orion, impulsionada para a Lua graças ao novo megafoguete SLS da Nasa.

Esses dois elementos foram testados vazios durante a Artemis 1 e serão testados com tripulação na Artemis 2.

Já na Artemis 3, a cápsula Orion se acoplará diretamente ao módulo de alunissagem da SpaceX. Dois astronautas descerão depois à Lua durante aproximadamente uma semana (outros dois permanecerão a bordo da Orion).

Uma vez que terminem seus experimentos, os dois astronautas retornarão no módulo de alunissagem para a Orion, que vai trazer os quatro integrantes da tripulação de volta à Terra.

Posteriormente, a Orion se conectará à estação espacial Gateway e os astronautas vão atravessá-la antes de embarcarem no módulo de alunissagem da SpaceX (Artemis 4), ou da Blue Origin (Artemis 5).

Todas essas missões têm como objetivo o polo sul da Lua, onde detectou-se água em forma de gelo.

O módulo de alunissagem da SpaceX será uma versão modificada de sua nave espacial Starship, que está atualmente em desenvolvimento no Texas. Em abril, o modelo explodiu em voo durante um primeiro teste importante.

O objetivo do programa Artemis é aprender a viver na Lua para testar todas as tecnologias necessárias para um destino ainda mais arriscado: Marte.

Acompanhe tudo sobre:NasaEspaçonavesFoguetes

Mais de Ciência

Einstein estava certo sobre a gravidade em buracos negros, diz estudo

'Saquinho' de nicotina ganha adeptos para perda de peso

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Meteoros de rastros do Halley podem ser vistos na madrugada de domingo

Mais na Exame