Acompanhe:

Canadá avalia uso da vacina da Pfizer em crianças a partir dos 5 anos

A decisão deve ser influenciada pela escolha dos EUA, que já vacinou 2,6 milhões de crianças com o imunizante. No Brasil, apenas adolescentes com idades acima dos 12 anos podem ser vacinados

Modo escuro

Continua após a publicidade
Os estudos sobre o uso de vacinas em menores de idade foram deixados, inicialmente, em segundo plano, pois foi avaliada a segurança das vacinas nos adultos. Além disso, os mais jovens são o grupo que tem o menor risco de morrer por complicações da covid-19 (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Os estudos sobre o uso de vacinas em menores de idade foram deixados, inicialmente, em segundo plano, pois foi avaliada a segurança das vacinas nos adultos. Além disso, os mais jovens são o grupo que tem o menor risco de morrer por complicações da covid-19 (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

D
Da redação

Publicado em 19 de novembro de 2021 às, 06h00.

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

A Health Canadá, agência de saúde canadense, deve autorizar nesta sexta-feira, 19, o uso da vacina da Pfizer em crianças com idades entre 5 e 11 anos para incrementar o combate a pandemia de covid-19.

Com a aprovação, as doses começarão a ser administradas antes do final de novembro.

Em nota, a Pfizer afirmou que a autorização da vacina nesta faixa “representa um passo significativo para ajudar o governo canadense a ampliar seu programa de vacinação para o próximo ano”

Com uma decisão neste sentido que deve influenciar o Canadá, os Estados Unidos aprovaram a vacina da marca para crianças de 5 a 11 anos há duas semanas e, até agora, 2,6 milhões receberam a primeira dose.

No Brasil, a Pfizer ainda é a única vacina aplicada em adolescentes com idades acima dos 12 anos. Na última sexta-feira, 12, a Anvisa recebeu o pedido da empresa para o uso do imunizante em crianças, mas a solicitação deverá ser analisada em um prazo de até 30 dias.

O Instituto Butantã, que fabrica a Coronavac, também pediu que o público de 3 a 11 anos pudesse receber a vacina da Sinovac, contudo, a agência apontou ainda a falta de dados sobre a eficácia em crianças com comorbidades e com o sistema imunológico debilitado.

Na semana passada, o laboratório responsável pela Coronavac anunciou que dados preliminares de ensaios clínicos da fase 3 em crianças e adolescentes, feitos na África do Sul, no Chile, na Malásia e nas Filipinas, comprovaram a segurança para essa faixa etária. Além disso, países como Chile, Equador e Indonésia já aprovaram a vacina para crianças e adolescentes, além da China.

Já a Anvisa afirmou que é necessário que o Instituto Butantan entre com um pedido mais sólido e com as informações para esse público-alvo, para que a análise tenha desfecho positivo.

Últimas Notícias

Ver mais
Telescópio James Webb pode ter descoberto mistério de supernova de 1987
Ciência

Telescópio James Webb pode ter descoberto mistério de supernova de 1987

Há 19 horas

Qual é a origem da Lua? Agência espacial do Japão diz ter pistas
Ciência

Qual é a origem da Lua? Agência espacial do Japão diz ter pistas

Há 22 horas

Empresa dos EUA consegue levar sonda à superfície da Lua após 52 anos
Ciência

Empresa dos EUA consegue levar sonda à superfície da Lua após 52 anos

Há um dia

12 anos da missão Juno: veja imagens impressionantes de Júpiter capturadas pela Nasa
Ciência

12 anos da missão Juno: veja imagens impressionantes de Júpiter capturadas pela Nasa

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais