• AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
  • AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
Abra sua conta no BTG

Creme para pele pode evitar doenças como dengue e zika, diz estudo

Creme para pele desenvolvido por cientistas do Reino Unido pode evitar proliferação de vírus responsáveis por doenças como dengue, zika e chikungunya
Tratamentos para doenças: creme para pele que contém imiquimode pode evitar proliferação de vírus transmitidos por mosquitos (AFP/Marvin Recinos / AFP)
Tratamentos para doenças: creme para pele que contém imiquimode pode evitar proliferação de vírus transmitidos por mosquitos (AFP/Marvin Recinos / AFP)
Por Maria Eduarda CuryPublicado em 26/01/2020 09:00 | Última atualização em 21/02/2020 07:29Tempo de Leitura: 3 min de leitura

São Paulo - Cientistas da Universidade de Leeds, no Reino Unido, podem ter encontrado uma forma de tratar doenças disseminadas por mosquitos, como zika, dengue e chikungunya. Segundo a pesquisa, o creme para pele composto por imiquimode - substância ativa geralmente usada em medicamentos que destroem células malignas - impede que o vírus se espalhe pelo corpo do usuário.

O creme, que também contém um tipo de célula imunológica, foi testado em amostras de pele disponibilizadas por 16 voluntários. Os cientistas dividiram as amostras em duas partes, e injetaram os vírus zika - responsável por causar defeitos congênitos em recém-nascidos - e chikungunya - responsável por causar artrite em articulações - em uma das partes de cada amostra. Feito isso, eles aplicaram o creme apenas em uma das partes, deixando a outra parte infectada sem tratamento, para comparar os dois tecidos.

Depois de um tempo, eles perceberam que a amostra de pele infectada com chikungunya que não recebeu o creme apresentava 600 vezes mais vírus do que a pele com o creme. No caso das amostras infectadas com o vírus zika, a pele sem o tratamento tinha 60 vezes mais vírus do que a pele que recebeu o creme. Nos dois casos, o tecido que recebeu o creme como tratamento não liberou nenhum vírus infeccioso para a pele, ou seja, não houve proliferação do vírus nas amostras tratadas.

Clive McKimmie, pesquisador e principal autor do artigo, acredita que tratamentos para doenças causadas por mosquitos devem ser tratados com urgência, visto que os hospedeiros do vírus estão se reproduzindo cada vez mais: "Os mosquitos estão expandindo seu alcance em todo o mundo à medida que o planeta fica mais quente devido à emergência climática, portanto o impacto na saúde das doenças transmitidas por mosquitos provavelmente aumentará no futuro. Se essa estratégia puder ser desenvolvida como uma opção de tratamento, poderemos usá-la para combater uma ampla gama de doenças novas e emergentes", escreve McKimmie, no estudo.

O Ministério da Saúde alertou que, em 2020, é possível que onze estados do Brasil tenham surto de dengue - entre eles, todos os estados do Nordeste, o Rio de Janeiro e o Espírito Santo -. Os autores do estudo alertam que os tratamentos são necessários, visto que a resposta autoimune gerada pelo tecido humano não é o suficiente para frear a reprodução dos vírus na pele.

No entanto, os pesquisadores alertam que os consumidores ainda não devem aplicar o creme em suas próprias picadas - mais pesquisas são necessárias para testar a eficácia do creme, de acordo com Kave Shams, coautor e consultor de dermatologia da Universidade de Leeds. "Esperamos que um dia essa descoberta possa ajudar um grande número de pessoas a evitar doenças. Se pudermos redirecionar esse creme para uma opção de tratamento antiviral, pode ser uma adição útil ao repelente de mosquitos, como forma de evitar a infecção", concluiu Shams, em comentário na pesquisa.

Veja Também

Anvisa amplia uso do remdesivir em casos de covid-19
Brasil
Há 8 horas • 2 min de leitura

Anvisa amplia uso do remdesivir em casos de covid-19

Brasil recebe fertilizantes a tempo para próxima safra de soja
EXAME Agro
Há 14 horas • 3 min de leitura

Brasil recebe fertilizantes a tempo para próxima safra de soja