Ciência

Coronavírus ficou mais perigoso com mutação e causa temor na Europa

Uma variante do vírus, ainda mais infecciosa, é a responsável pela nova onda de casos de covid-19 no continente europeu

Covid-19: vírus passou por uma mutação que o tornou ainda mais infeccioso (Maksim Tkachenk/Getty Images)

Covid-19: vírus passou por uma mutação que o tornou ainda mais infeccioso (Maksim Tkachenk/Getty Images)

RL

Rodrigo Loureiro

Publicado em 29 de outubro de 2020 às 11h15.

Última atualização em 30 de outubro de 2020 às 15h48.

A nova onda de casos do novo coronavírus na Europa, que já força diversos países a adotarem regras de confinamento, está sendo causada por uma cepa mutante do vírus SARS-CoV-2. Essa cepa é mais infecciosa e foi rastreada até a Espanha, que recentemente atingiu 1 milhão de casos, e se espalhou por todo o continente durante o verão europeu.

O mundo está mais complexo, mas dá para começar com o básico. Veja como, no Manual do Investidor.

A descoberta é de uma equipe de pesquisadores da Universidade de Basel, na Suíça, e da SeqCOVID, na Espanha. De acordo com o estudo, a variante do vírus, que não é mais e nem menos perigosa, foi identificada em 12 países do continente, assim como em Hong Kong e na Nova Zelândia. A propagação teve início na Europa durante o fim do mês de julho.

Segundo os pesquisadores, há centenas de variantes do vírus presentes na Europa. Mas esta variante, sob o nome de 20A.EU1, é uma das mais difundidas no continente. "Esta variante, 20A.EU1, e uma segunda variante 20A.EU2, (...) respondem pela maioria das sequências recentes na Europa", disseram os cientistas.

Somente no Reino Unido, que deve ser o próximo país a adotar o lockdown, pelo menos 4 em cada 5 novos casos de covid-19 estão relacionados a esta variante.

A Europa tem sido o alvo desta mutação do coronavírus pela restrição de viagens para fora do continente durante a pandemia, o que é um problema principalmente pela falta de médicos. Em Hong Kong, por exemplo, estudos mostram que as novas infecções do coronavírus vieram de uma única variante do vírus SARS-CoV-2.

Apesar de não ser mais mortal do que o coronavírus original, por assim dizer, esta mutação tende a ser mais infecciosa, conforme apontam os números de novos casos da doença. Os pesquisadores, porém, afirmam que é “particularmente difícil” explicar porque esta variante está se espalhando tão rapidamente.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusEspanhaEuropa

Mais de Ciência

'Saquinho' de nicotina ganha adeptos para perda de peso

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Meteoros de rastros do Halley podem ser vistos na madrugada de domingo

AstraZeneca admite efeito colateral raro da vacina contra covid-19

Mais na Exame