Ciência

Comparado a Einstein, garoto de 11 anos quer tornar humanos imortais

Para o jovem, a física quântica é a primeira peça desse quebra-cabeça

Laurent Simons: jovem é graduado em Física (KENZO TRIBOUILLARD/AFP via Getty Images/Getty Images)

Laurent Simons: jovem é graduado em Física (KENZO TRIBOUILLARD/AFP via Getty Images/Getty Images)

Lucas Agrela

Lucas Agrela

Publicado em 11 de julho de 2021 às 17h15.

Última atualização em 23 de dezembro de 2021 às 16h33.

O holandês-belga Laurent Simons tem 11 anos de idade e não só é formado em Física, como também concluiu o bacharelado em um ano, em vez de três, e obteve a nota mais alta de sua classe na Universidade de Antuérpia. Chamado de Einstein de sua geração, Simons sonha alto. Seu objetivo de pesquisa é nada mais do que tornar humanos imortais.

“A imortalidade é o meu objetivo. Quero ser capaz de substituir o máximo possível de partes do corpo por peças mecânicas”, afirmou Simons, em uma entrevista concedida ao jornal holandês De Telegraaf.

Para o jovem, a física quântica é a primeira peça desse quebra-cabeça.

“Duas coisas são importantes neste estudo: adquirir conhecimento e aplicá-lo. Para isso, quero trabalhar com os melhores professores do mundo, olhar dentro de seus cérebros e descobrir como eles pensam”, disse, ao jornal.

Simons é o segundo mais jovem do mundo a receber um diploma universitário. Michael Kearney, de 10 anos, é o mais jovem, mas sua graduação é em outra área: antropologia.

Entretanto, Simons deveria ter concluído sua graduação em engenharia elétrica na Universidade de Tecnologia de Eindhoven, na Holanda, em 2019, mas uma ação judicial da instituição fez com que ele abandonasse o curso. Agora, o objetivo do jovem prodígio é concluir um mestrado em Física na Universidade Flamenga.

Acompanhe tudo sobre:Albert Einstein (cientista)EngenhariaFísicaMedicina

Mais de Ciência

Colisão de asteroides é flagrada pelo telescópio James Webb

Componente de protetores solarares encontrado em alimentos gera preocupação nos EUA

Nova promessa de tratamento para Alzheimer avança nos EUA. Como o medicamento funciona?

Por que uma dieta baseada em vegetais nem sempre é saudável?

Mais na Exame