Acompanhe:

Cientistas americanos criam sistema para transformar umidade do mar em água potável

Em comparação com a dessalinização clássica, este método teria uma vantagem importante: ao evaporar e transformar-se em gás, a água do mar perde quase a totalidade de seu sal natural

Modo escuro

Continua após a publicidade
Ao invés de se perder na atmosfera, o ar saturado de água seria capturado por estruturas de extração (Mike Hill/Getty Images)

Ao invés de se perder na atmosfera, o ar saturado de água seria capturado por estruturas de extração (Mike Hill/Getty Images)

A
AFP

Publicado em 3 de janeiro de 2023 às, 15h17.

Última atualização em 3 de janeiro de 2023 às, 15h55.

Uma equipe de cientistas americanos diz ter inventado um sistema que poderia permitir a captura da umidade oceânica para transformá-la em água potável, segundo um estudo publicado na revista Nature.

Com a mudança climática, "vamos ter de encontrar uma forma de aumentar a oferta de água doce porque a conservação e a reciclagem de água de fontes existentes, embora sejam essenciais, não serão suficientes para responder às necessidades humanas", explicou Praveen Kumar, professor da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign (UIUC), um dos autores do estudo, publicado em 6 de dezembro.

"Pensamos que nossa proposta pode alcançar isso em larga escala", estimou.

Ao invés de se perder na atmosfera, o ar saturado de água seria capturado por estruturas de extração, situadas nos litorais, para depois ser condensado e transportado por dutos para depósitos adequados.

Em comparação com a dessalinização clássica, este método teria uma vantagem importante: ao evaporar e transformar-se em gás, a água do mar perde quase a totalidade de seu sal natural. É por isso que a água da chuva não é salgada.

O que dizem as últimas pesquisas científicas mais importantes? Descubra ao assinar a EXAME, por menos de R$ 0,37/dia.

Assim, o sistema consumiria muito menos energia e também teria um impacto ambiental bastante inferior à dessalinização clássica, que produz resíduos como a salmoura, com alta concentração de substâncias tóxicas.

Segundo esses cientistas, os parques eólicos offshore e as placas solares terrestres poderiam contribuir para alimentar o circuito de purificação.

Os pesquisadores consideram que esta técnica reproduz o sistema natural, mas de forma direcionada.

"Uma 'superfície de captura vertical' de 210 m de largura e 100 m de altura poderia fornecer um volume suficiente de umidade extraível para as necessidades diárias de água potável de aproximadamente 500 mil pessoas".

Os cientistas se apoiam em uma simulação a partir de 14 lugares onde há problemas de abastecimento hídrico, como Los Angeles e Roma. Com base nos modelos, este tipo de dispositivo poderia gerar entre 37,6 bilhões e 78,3 bilhões de litros de água por ano, dependendo das condições locais.

"As projeções climáticas mostram que o fluxo de vapor oceânico vai aumentar ao longo dos anos, o que proporcionará ainda mais água doce", declarou a coautora do estudo, Afeefa Rahman.

LEIA TAMBÉM:

Brasil desperdiça 40% da água potável captada em mananciais

Transição sugere que Lula retire regulação do saneamento de agência

Últimas Notícias

Ver mais
Brasil pode estar próximo de seu pior branqueamento de corais da história
ESG

Brasil pode estar próximo de seu pior branqueamento de corais da história

Há 5 horas

Governo Tarcísio anuncia desconto de 10% na tarifa social da Sabesp com privatização
Brasil

Governo Tarcísio anuncia desconto de 10% na tarifa social da Sabesp com privatização

Há 14 horas

Mudanças climáticas vão cortar PIB global em cerca de R$ 200 trilhões até 2050
ESG

Mudanças climáticas vão cortar PIB global em cerca de R$ 200 trilhões até 2050

Há 22 horas

África do Sul: uso da água da chuva dribla mudanças climáticas em vinhedos
ESG

África do Sul: uso da água da chuva dribla mudanças climáticas em vinhedos

Há 22 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais