Ciência

China avança na identificação de Alzheimer precoce

Pesquisadores identificaram novo biomarcador sanguíneo que pode ajudar os médicos a diagnosticar a doença em seu estágio inicial

Pesquisadores identificaram novo biomarcador sanguíneo que pode ajudar os médicos a diagnosticar a doença em seu estágio inicial (Andriy Onufriyenko/Getty Images)

Pesquisadores identificaram novo biomarcador sanguíneo que pode ajudar os médicos a diagnosticar a doença em seu estágio inicial (Andriy Onufriyenko/Getty Images)

China2Brazil
China2Brazil

Agência

Publicado em 16 de março de 2023 às 17h42.

Última atualização em 16 de março de 2023 às 18h09.

Pesquisadores do Hospital Huashan da Universidade de Fudan, com sede em Xangai, identificaram um novo biomarcador sanguíneo que pode ajudar os médicos a diagnosticar a doença de Alzheimer (DA) em seu estágio inicial. Os resultados do estudo foram publicados na revista internacional Clinical Chemistry, no início de março.

Através de um estudo em larga escala envolvendo mais de 800 participantes, os pesquisadores descobriram que a proteína ácida fibrilar glial (GFAP) era significativamente mais alta nas amostras de sangue de pacientes com Alzheimer do que em indivíduos sem a doença.

Yu Jintai, a principal pesquisadora do estudo, disse que o nível de GFAP plasmático aumentou com a progressão da doença e atingiu o pico no estágio de demência do Alzheimer. Mais importante ainda, tal aumento do nível de proteína ocorre na fase pré-clínica.

Há um longo período de latência antes do aparecimento dos sintomas clínicos em pacientes com DA. Se os pacientes são diagnosticados através de métodos de detecção na fase pré-clínica, isso pode conseguir uma intervenção precoce e retardar a progressão da doença, disse Yu.

A DA é um distúrbio cerebral irreversível e progressivo que destrói lentamente a memória, a capacidade de pensar e a capacidade de realizar tarefas simples.

De acordo com Yu, quando os pacientes são diagnosticados com base em sintomas clínicos e indicadores de imagem, a doença pode já ter se desenvolvido até os estágios médio e tardio.

Portanto, muitos ensaios clínicos recentes concentram-se em programas de prevenção de doenças, exigindo a identificação de populações em risco de Alzheimer.

Tratamento não invasivo

Os biomarcadores sanguíneos demonstraram ser simples, não invasivos e amigáveis ao paciente no diagnóstico precoce da doença, disse Yu, enfatizando a importância do estudo.

O Plasma GFAP surgiu como um biomarcador em distúrbios neurológicos, mas sua utilidade para o diagnóstico e predição da AD permaneceu pouco clara.

Este estudo provou que poderia servir como um biomarcador de diagnóstico e previsão para a doença, disse o pesquisador.

Fonte: Yicai Global

Acompanhe tudo sobre:Mal de AlzheimerDoençasSaúdelongevidadeChina

Mais de Ciência

Componente de protetores solarares encontrado em alimentos gera preocupação nos EUA

Nova promessa de tratamento para Alzheimer avança nos EUA. Como o medicamento funciona?

Por que uma dieta baseada em vegetais nem sempre é saudável?

Covid-19 e gripe: vacina combinada da Moderna mostra alta eficácia

Mais na Exame