Ciência

Anvisa recomenda aprovação do uso emergencial da vacina de Oxford

A agência também recomendou hoje a aprovação da vacina Coronavac

Vacina covid-19 AstraZeneca/Oxford (GEOFF CADDICK/Getty Images)

Vacina covid-19 AstraZeneca/Oxford (GEOFF CADDICK/Getty Images)

Lucas Agrela

Lucas Agrela

Publicado em 17 de janeiro de 2021 às 12h43.

Última atualização em 17 de janeiro de 2021 às 13h22.

A Anvisa anunciou hoje a recomendação do uso emergencial da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford com a anglo-sueca AstraZeneca no Brasil. A Coronavac, criada pela Sinovac Life Sciences junto ao Instuto Butantan, também recebeu a recomendação de uso emergencial hoje.

O pedido de uso emergencial da vacina de Oxford/AstraZeneca é referente ao uso de 2 milhões de doses importadas do Instituto Serum, na Índia. No futuro, a Fiocruz fabricará o imunizante localmente para aplicação na população brasileira.

Segundo resultados anunciados em novembro do ano passado, a vacina de Oxford, como é chamada popularmente, foi 90% eficaz na prevenção do covid-19 quando administrada em meia dose seguida de uma dose completa com intervalo de pelo menos um mês, informa a AFP. O estudo foi conduzido no Brasil e no Reino Unido.

Quem terá prioridade para tomar a vacina?

A vacinação, inicialmente, será para profissionais de saúde, idosos e pessoas do grupo de risco. As etapas de vacinação ainda serão anunciadas pelos governos. Em São Paulo, o governador João Doria Jr anunciou o início da vacinação com a Coronvac, vacina feita pela Sinovac Life Sciences junto ao Instituto Butantan, para o dia 18 de janeiro, ou seja, amanhã. Ainda não há um cronograma nacional com datas de vacinação para todo o país.

Acompanhe tudo sobre:AnvisaAstraZenecaCoronavírusUniversidade de Oxfordvacina contra coronavírusVacinas

Mais de Ciência

Colisão de asteroides é flagrada pelo telescópio James Webb

Componente de protetores solarares encontrado em alimentos gera preocupação nos EUA

Nova promessa de tratamento para Alzheimer avança nos EUA. Como o medicamento funciona?

Por que uma dieta baseada em vegetais nem sempre é saudável?

Mais na Exame