Casual

Entenda por que a Volvo está mudando os nomes de seus carros

Montadora sueca está padronizando os nomes dos novos modelos, como o EX40, para reforçar aposta na eletrificação

EX40 da Volvo: novo nome para o XC40 Recharge (Volvo/Divulgação)

EX40 da Volvo: novo nome para o XC40 Recharge (Volvo/Divulgação)

Ivan Padilla
Ivan Padilla

Editor de Casual e Especiais

Publicado em 18 de junho de 2024 às 16h04.

Última atualização em 18 de junho de 2024 às 16h09.

Tudo sobreVolvo
Saiba mais

GOTEMBURGO. Na cidade da costa oeste da Suécia em que fica a sede da Volvo, na semana passada, tínhamos alguns modelos à disposição para um test drive. Um desses carros era o EX40, sigla até agora desconhecida para nós. Tratava-se de mais um lançamento da montadora sueca, que acaba de fazer a talvez maior aposta de sua trajetória com o EX30?

Não exatamente. O nome do modelo pode até ser novo. Mas o EX40 é, na verdade, o nome atualizado do XC40 Recharge. Em nome da transparência, a Volvo está simplificando e padronizando os nomes de seus modelos elétricos. A ideia das mudanças é passar um recado claro para o mercado.

A Volvo tem a meta de se transformar em uma montadora 100% elétrica arte 2030. No mercado brasileiro, por exemplo, todos os modelos já são eletrificados. A nova nomenclatura reforça o posicionamento da empresa e foi divulgada no evento em Gotemburgo para falar das atualizações dos carros para o ano que vem.

Brasil, o país dos elétricos

Não se trata da única mudança de nome. Da mesma forma, o C40 Recharge vai passar a se chamar EC40. A nomenclatura Recharge sai dos carros híbrido plug in, que agora são indicados apenas pelo sufixo T6 ou T8, de acordo com o nível de potência.

Com a chegada do EX30 e do EX90, este ainda sem previsão de chegada ao Brasil, a Volvo passará a ter quatro modelos elétricos como opção para os consumidores.

Em 2023, os carros totalmente elétricos representaram 16% do nosso volume de vendas, um crescimento de mais de 70% em relação a 2022. No Brasil, a montadora atingiu 50% de vendas de elétricos no ano passado, a maior marca entre todos os mercados em que a Volvo atua.

“Já temos desenvolvido uma estratégia de eletrificação bastante forte no Brasil e acredito que a mudança de nomenclatura facilite a compreensão dos clientes na hora de escolher um modelo”, afirma Marcelo Godoy, CEO da Volvo Car Brasil.

EX30 Twin, com dois motores

A aposta na eletrificação da marca parece acertada. Em 2023, a Volvo Car Group atingiu um lucro operacional recorde, equivalente a 12 bilhões de reais. O faturamento global também foi o mais alto da história, em um total de 190 bilhões de reais.

Com o EX30, a ambiciosa aposta é dobrar as vendas no Brasil. Além do EX40, no evento da Suécia pudemos testar o EX30 Twin, com dois motores, tração integral e aceleração de 0 a 100 quilômetros por hora em 3,6 segundos. O modelo ainda não tem previsão de chegada ao Brasil.

O test drive incluiu percursos nos arredores de Gotemburgo que passavam por florestas de coníferas, sob céu ensolarado e uma temperatura de 12 graus em plena primavera sueca. Também pudemos testar a versão Black Edition dos EX40, EC40 e XC40, na cor onyx black, também não comercializados no Brasil.

Se por um lado o consumidor pode ficar com certo sentimento de frustração por ainda não ter esses modelos disponíveis por aqui, fica uma certeza: a de que a Volvo ainda tem muita bala na agulha para manter e aumentar suas taxas crescimento no mercado brasileiro.

  • O jornalista viajou a convite da Volvo

Leia mais

Acompanhe tudo sobre:VolvoSuéciaCarros elétricos

Mais de Casual

Do campo à xícara: saiba o caminho que o café percorre até chegar a sua mesa

Com sustentabilidade e legado, sempre teremos Paris

3,5 mil quartos e R$ 100 milhões em reformas: os planos da Meliá para o Brasil

Senna e filme sobre Fórmula 1: como o esporte tem se tornado tendência nos streamings e cinemas

Mais na Exame