Carreira

Opinião: Como o apego excessivo à lógica pode limitar os líderes empresariais

Para prosperar no cenário empresarial, os líderes devem ir além de um pensamento meramente racional e abraçar novas formas de pensar

Joaquim Santini
Joaquim Santini

Pesquisador, consultor e palestrante sobre a vida organizacional

Publicado em 29 de abril de 2024 às 13h48.

Os líderes empresariais, em todos os níveis hierárquicos, estão particularmente propensos a se apegar excessivamente ao pensamento racionalista ao navegar na complexa dinâmica organizacional. Essa adoção compulsiva de abordagens puramente lógicas e baseadas em dados pode limitar sua capacidade de reconhecer e de se adaptar aos fatores socioemocionais e inconscientes que moldam intrinsecamente a vida organizacional.

Para prosperar no cenário empresarial em constante evolução de hoje, os líderes devem transcender essa mentalidade limitante e abraçar novas formas de pensar que levem em conta toda a gama de influências que dão forma às organizações. Ao compreender que as organizações são, na realidade, complexas tapeçarias nas quais aspectos técnicos, socioemocionais e inconscientes se entrelaçam de maneira indissociável, os líderes podem desenvolver uma visão mais sofisticada e abrangente das sutilezas que permeiam a dinâmica do ambiente de trabalho.

Essa mudança de mentalidade é especialmente crucial quando as organizações enfrentam mudanças disruptivas, sejam elas tecnológicas, estruturais ou culturais. Líderes que permanecem rigidamente apegados a modelos mentais ultrapassados e abordagens excessivamente racionalizadas podem ter dificuldades em se adaptar e orientar suas equipes através de transformações necessárias, arriscando-se a perder relevância em um mercado em rápida evolução.

Uma mentalidade mais equilibrada e inclusiva é uma competência que pode ser cultivada ao longo do tempo. Ao buscar ativamente incorporar considerações socioemocionais e explorações de dinâmicas inconscientes em seus processos de tomada de decisão, ao mesmo tempo em que permanecem fundamentados por insights baseados em dados, os líderes podem expandir significativamente seu repertório e se tornar muito mais hábeis em lidar com a complexidade das organizações modernas.

Em última análise, abraçar essa nova forma de pensar não é apenas um imperativo estratégico para líderes individuais, mas uma necessidade para organizações que buscam se manter ágeis, resilientes e orientadas para o futuro. Ao reconhecer e valorizar as muitas facetas entrelaçadas que compõem a vida organizacional, as empresas podem desbloquear novos níveis de inovação, adaptabilidade e engajamento dos funcionários, capacitando-se para prosperar em face aos desafios do amanhã.

As doenças organizacionais

A inflexibilidade cognitiva pode ser um terreno fértil para o surgimento de diversas "doenças organizacionais", cada uma com suas próprias consequências nefastas para a saúde e o desempenho das empresas.

Uma das enfermidades mais proeminentes é a Miopia Estratégica, caracterizada pela incapacidade de enxergar além dos modelos mentais estabelecidos e perceber as mudanças no ambiente competitivo. Líderes acometidos por essa condição podem se tornar excessivamente focados em métricas e indicadores ultrapassados, falhando em identificar tendências emergentes e ameaças disruptivas. Como resultado, as empresas perdem oportunidades valiosas de inovação e adaptação, ficando cada vez mais defasadas em relação aos concorrentes mais ágeis.

Outra doença potencialmente debilitante é a Paralisia Decisória, que ocorre quando os líderes, presos a abordagens excessivamente racionalizadas, se veem incapazes de tomar decisões em face à ambiguidade e incerteza. Esses indivíduos podem ficar paralisados pela busca incessante por mais dados e análises, adiando indefinidamente escolhas cruciais, incapazes de agir rapidamente diante de desafios emergentes. Essa inércia pode levar a uma estagnação organizacional, cenário em que projetos e iniciativas importantes são paralisados e a empresa perde competitividade.

A Síndrome da Cultura Engessada é outra consequência prejudicial dessa mentalidade inflexível. Quando os líderes se apegam rigorosamente a normas e práticas estabelecidas, eles podem, inadvertidamente, criar uma cultura organizacional rígida e avessa a mudanças. Isso pode sufocar a criatividade, a inovação e o engajamento dos funcionários, resultando em uma força de trabalho desmotivada e pouco propensa a abraçar as transformações necessárias para o sucesso contínuo da organização.

A Atrofia da Empatia se instala quando os líderes, em sua busca obcecada por eficiência e resultados, perdem de vista as dimensões humanas da vida organizacional. Ao desconsiderar os aspectos socioemocionais e as dinâmicas interpessoais que moldam a experiência dos funcionários, esses líderes podem, sem perceber, minar a confiança, a colaboração e o engajamento dentro de suas equipes. O clima organizacional deteriora, o turnover aumenta e talentos valiosos são perdidos.

A Epidemia do Burnout pode ser desencadeada quando líderes, em sua busca obcecada por resultados, impõem demandas excessivas e expectativas irrealistas sobre suas equipes. Ao ignorar os limites humanos e a necessidade de equilíbrio entre vida profissional e pessoal, esses líderes podem, sem perceber, criar um ambiente de trabalho tóxico que leva à exaustão física e emocional dos funcionários. Isso não apenas compromete o bem-estar e a produtividade dos indivíduos, mas também pode levar a uma erosão generalizada do engajamento e da satisfação no trabalho.

Além disso, a Síndrome da Geração Z Desconectada surge quando os líderes falham em compreender e se adaptar às necessidades e expectativas exclusivas da nova geração que adentra a força de trabalho. Líderes que permanecem presos a abordagens de gestão antiquadas e hierarquias rígidas podem ter dificuldades em engajar e reter os jovens talentos da Geração Z, que valorizam a flexibilidade, o propósito e o crescimento contínuo. Essa desconexão resulta em altas taxas de rotatividade, perda de conhecimento valioso e uma lacuna crescente de habilidades dentro da organização.

Por fim, a Pandemia do Desengajamento se alastra quando os líderes, em sua adesão inflexível a modelos mentais ultrapassados, falham em reconhecer e responder aos fatores que impulsionam o engajamento dos funcionários. Ao desconsiderar a importância de elementos como propósito, autonomia, reconhecimento e desenvolvimento pessoal, esses líderes podem, involuntariamente, criar uma força de trabalho desconectada e desmotivada. Isso leva a uma queda significativa na produtividade, inovação e retenção de talentos, comprometendo a capacidade da organização de competir efetivamente no mercado.

Para evitar essas doenças organizacionais debilitantes, os líderes devem ativamente abraçar a flexibilidade cognitiva, estando abertos a questionar seus pressupostos, explorar novas perspectivas e se adaptar às realidades em constante mudança. Ao cultivar uma mentalidade mais ágil e inclusiva, que valorize tanto os insights baseados em dados quanto as nuances socioemocionais da vida organizacional, os líderes podem navegar de forma mais eficaz pelas complexidades do ambiente empresarial atual, posicionando suas organizações para prosperarem em face às incertezas do futuro.

Acompanhe tudo sobre:dicas-de-carreira

Mais de Carreira

Quais são os benefícios de um estagiário?

Quais são os direitos de um estagiário?

BAT Brasil abre programa de trainee com desenvolvimento global e salário inicial de R$ 10 mil

A Cultura do Excesso Corporativo: Ela pode estar na sua empresa e você nem sabe; conheça os sinais

Mais na Exame