Acompanhe:
seloCarreira

Do IPC ao IGP-M, os índices que importam no Brasil

Atenção aos indicadores que medem o custo de vida. Dependendo do mês de seus compromissos, uns são mais relevantes do que outros

Modo escuro

Continua após a publicidade
Custo de vida é maior nas grandes metrópoles (Cláudia)

Custo de vida é maior nas grandes metrópoles (Cláudia)

A
Alex Ricciardi

Publicado em 19 de março de 2013 às, 13h32.

São Paulo - Uma velha senhora insiste em rondar o mercado e mostrar que ainda tem vitalidade. Durante décadas, ela causou sérios estragos ao país e a seu bolso, até ser domada a partir da metade da década de 1990.

Mas agora um conjunto de fatores — juros caindo, dólar subindo, preços altos dos imóveis — pode fazer com que esta senhora, a inflação, tire parte de sua tranquilidade, bagunçando as contas do mês e o orçamento como um todo.

Diante disso, nada melhor do que vigiá-la de perto. “A inflação corrói o acordo moral básico, entranhado na sociedade, do qual dependem a manutenção da ordem democrática e o funcionamento da economia”, diz Eduardo Gianetti da Fonseca, economista e professor do Insper, faculdade de economia e administração de São Paulo.

A recomendação é acompanhar os principais índices de custo de vida do país, saber exatamente o que eles medem e quais devem ser olhados com atenção. Tudo a depender das necessidades pessoais e dos compromissos financeiros de cada um. 

Os índices de inflação são construídos por institutos a partir de uma cesta de produtos hipotética nos diversos mercados, dependendo do público-alvo. A partir daí, coletam-se os valores e calculam-se as mudanças nos preços. Por isso, a grande variedade de índices.

Enquanto o Índice Nacional da Construção Civil (INCC) apura os preços de materiais e serviços da construção, o Índice de Preços ao Consumidor C1 (IPC-C1) se concentra nos produtos consumidos pelo público de baixa renda.

Entre todos os medidores econômicos, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é o mais importante. Medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é composto por dez categorias de produtos, que inclui a cesta básica de alimentos.

Eduardo Gianetti aconselha acompanhar o IPCA bem de perto. “Ele foi escolhido pelo Banco Central como parâmetro de eficácia do sistema de metas de inflação, o que o torna mais relevante que os demais”, diz o economista.

Mas, dependendo de interesses específicos, outros indicadores podem ser mais úteis. Se o mês de vencimento de seu contrato de aluguel estiver próximo, o IGP-M, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), é sem dúvida o indicador que tem de estar no topo de sua lista de cuidados.

Ele é o mais usado para a correção das locações e será válido por um ano inteiro, até o vencimento do próximo contrato. No último mês de maio, esse índice apresentava alta de 1,02% e de 2,51% no acumulado do ano.

Quem teve o contrato de aluguel renovado em maio passou a pagar entre 1 481 reais e 1 645 reais mensais em um imóvel de três quartos e 100 m² no bairro paulistano da Mooca, por exemplo. Quem financiou a compra de uma casa ou de um apartamento precisa manter-se atento ao INCC-M — que subiu 1,3% em maio, acima da elevação de 0,83% de abril. Ele é o preferido para o ajuste das parcelas a serem pagas nessas operações.


Cristiano M. Costa, professor da Fucape Business School, de Vitória, no Espírito Santo, destaca o INCC, medido também pela FGV. “Ele mede os custos específicos do setor de construção, que é um dos mais importantes da economia brasileira”, diz. Esse índice é composto por itens como materiais, equipamentos, serviços e mão de obra — o que mais tem elevado o custo de imóveis financiados no país.

Boa notícia

A senhora inflação, no entanto, nem sempre traz só más notícias de aumento de preços. Frederico Turolla, especialista em conjuntura econômica da Pezco Consultoria, é quem lembra da boa notícia. “A poupança da família brasileira vem sendo crescentemente corrigida para além dos índices de inflação, com ganhos reais, principalmente após o aumento da emissão de títulos do Tesouro Nacional atrelados aos índices de preços”, diz Frederico.

Com a popularização do Tesouro Direto e o aumento das possibilidades de ganhos com esses títulos, cada vez mais investidores têm buscado as Notas do Tesouro Nacional séries B e C, que são corrigidas pelo IPCA e pelo IGP-M, respectivamente. 

É também a inflação que corrige o salário de cada mês. No momento de negociar sua remuneração ou um reajuste, é bom saber qual é o índice utilizado na revisão de sua remuneração. “O Índice Nacional de Preços ao Consumidor [INPC, que é medido pelo IBGE], por exemplo, é mais adequado para reajustar salários de trabalhadores de baixa renda, pois sua estrutura é montada para famílias que ganham de 1 a 6 salários mínimos por mês”, diz Frederico.

O valor de todos esses indicadores econômicos e seus reajustes são informados diariamente por jornais e sites de economia. Se até hoje você não se interessou por eles, vale ficar de olho. Eles influenciam seu orçamento e planos de consumo. Ao ignorá-los, você pode perder dinheiro.

Últimas Notícias

Ver mais
Após CPI, Biden pede que empresas usem lucros recordes para cortar preços de alimentos
Economia

Após CPI, Biden pede que empresas usem lucros recordes para cortar preços de alimentos

Há 9 horas

Inflação dos EUA vem acima do esperado e derruba Ibovespa
seloMercados

Inflação dos EUA vem acima do esperado e derruba Ibovespa

Há 12 horas

CPI: inflação nos EUA sobe 0,4% em março e taxa anual vai a 3,5%
Mundo

CPI: inflação nos EUA sobe 0,4% em março e taxa anual vai a 3,5%

Há 13 horas

IPCA de março desacelera e sobe 0,16%; inflação acumulada de 12 meses fica em 3,93%
Economia

IPCA de março desacelera e sobe 0,16%; inflação acumulada de 12 meses fica em 3,93%

Há 13 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais