Carreira

Brasileiros são os que mais utilizam redes sociais para buscar emprego na América Latina

Segundo pesquisa da Page Outsourcing, consultoria que faz parte do Grupo PageGroup, brasileiros dizem que as mídias sociais trazem maior visibilidade para os candidatos durante os processos seletivos

Plágio deve ser motivo de preocupação para quem trabalha na internet (AFP/AFP)

Plágio deve ser motivo de preocupação para quem trabalha na internet (AFP/AFP)

Luciana Lima
Luciana Lima

Repórter de Carreira

Publicado em 13 de abril de 2023 às 12h12.

Pesquisas apontam que os Brasil é o terceiro país do mundo com mais usuários em redes sociais. E, mesmo na hora de procurar emprego, os brasileiros optam pelas plataformas. Pelo menos é isso que aponta uma pesquisa realizada pela Page Outsourcing, consultoria que faz parte do Grupo PageGroup no Brasil.

De acordo com o estudo, que ouviu 7.317 profissionais de seis países da América Latina (Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México, Peru e Panamá) que se candidataram a uma vaga de emprego por meio do site da consultoria, entre os latinos, os brasileiros são os que mais utilizam as redes sociais para se candidar a uma vaga de emprego, com 72,2% dizendo que recorrem aos sites. 

Em seguida está a Argentina (64,7%), Panamá (61,7%), Chile (59,8%), Colômbia (58,5%), México (54,7%) e Peru (52,9%).

Redes sociais aumentam a visibilidade

Para a maioria dos brasileiros ouvidos (63,7%), entre os benefícios de usar as mídias sociais para buscar um emprego está o fato de que as redes aumentam a visibilidade com recrutadores.

A maioria dos candidatos do Peru (53,6%) concordam com essas vantagens das redes sociais. Apareceram logo depois os candidatos da Colômbia (49,4%), Chile (49,2%), México (48%), Panamá (44,8%) e Argentina (44,4%).

Segundo Letícia Valente, diretora da Page Outsourcing, os números são reflexo de uma tendência que ganhou força pós-pandemia. "O networking, antes realizado presencialmente, foi adaptado para o mundo digital, possibilitando ampliar conexões entre empresas, recrutadores e profissionais em busca de novas oportunidades”, diz  Letícia.

Outra vantagem apontada pela maior parte dos profissionais do Brasil (61,2%) é que algumas ofertas de emprego aparecem somente nas redes sociais. Os respondentes do Chile (61,1%) também têm a mesma percepção. A alta concordância também foi registrada pelos candidatos da Argentina (60,3%), Panamá (59,7%), Colômbia (57,2%), México (56,8%) e Peru (55,5%).

Redes sociais são ferramentas de employer branding

Não é de hoje que as redes sociais das empresas são utilizadas como ferramentas para a estratégia de employer branding das organizações, ou seja, reforço da marca empregadora para atrair os melhores talentos.

E, segundo a pesquisa da Page Outsourcing, no Brasil é onde isso parece ter mais apelo. Isso porque os candidatos brasileiros (68,7%) foram os mais influenciados pelos conteúdos publicados pelas companhias nas mídias sociais no momento de aceitar uma vaga de emprego.

Na sequência vieram os candidatos do Peru (58,4%), Colômbia (53,4%), Argentina (52,4%), México (52%), Panamá (50,6%) e Chile (49,2%).

“Vemos uma preocupação por parte dos candidatos em ingressar em empresas que possuam os mesmos valores que eles acreditam e desenvolvam projetos alinhados a seus objetivos de vida. Esses fatores influenciam diretamente na tomada de decisão dos profissionais no momento de escolher um novo desafio”, afirma Letícia.


Inscreva-se e receba por e-mail dicas e conteúdos gratuitos sobre carreira, vagas, cursos, bolsas de estudos e mercado de trabalho.

Acompanhe tudo sobre:RecrutamentoRedes sociaisvagas-de-emprego

Mais de Carreira

Ofensas a colega fora do ambiente de trabalho podem gerar justa causa?

Lavender ceiling: a comunidade LGBTQIAP+ enfrenta barreiras "invisíveis" na sua empresa?

Personal branding: Como comunicar ao mercado quem você é como profissional?

Dia Mundial das Mulheres na Engenharia: Como atrair mais mulheres para a indústria?

Mais na Exame