Carreira

Alemanha protege Facebook de candidatos a emprego

Lei proíbe que caça-talento que adicionar perfil de candidatos na rede social apenas para checar informações privadas

Marc Zuckerberg, CEO do Facebook: recrutadores não poderão mais usar a rede em processo de seleção (.)

Marc Zuckerberg, CEO do Facebook: recrutadores não poderão mais usar a rede em processo de seleção (.)

Talita Abrantes

Talita Abrantes

Publicado em 30 de agosto de 2010 às 10h17.

São Paulo - O hábito de vasculhar, na internet, a vida de um candidato a uma oportunidade de emprego está com os dias contados. Pelo menos, na Alemanha.

Lá, acaba de ser apresentada uma lei que proíbe que empregadores espiem dados pessoais (e privados), nas redes sociais,de profissionais que estejam participando de um processo de seleção da empresa.

O projeto de lei foi  defendido pelo Ministro Interior, Thomas de Maiziere, nesta quarta-feira. A proposta é mais uma tentativa do governo para proteger a privacidade na internet.

Pela nova regra, os recrutadores não poderão mais adicionar o perfil de candidatos no Facebook para vasculhar dados privados.

Quem se sentir prejudicado em um processo de seleção por empregadores que desrespeitarem as regras, poderá entrar na Justiça com pedido de indenização.

O uso de câmeras clandestinas no local de trabalho também fica vedado. Os empregadores apenas poderão instalá-las em locais públicos com consentimento dos funcionários. Quem infringir a nova regra poderá pagar multa de 379 mil dólares.

Leia outras notícias sobre carreira

Siga o canal de Carreira no Twitter

 

Acompanhe tudo sobre:Alemanhacarreira-e-salariosEmpresasEmpresas americanasEmpresas de internetempresas-de-tecnologiaEuropaFacebookInternetPaíses ricosRedes sociais

Mais de Carreira

Concurso Caixa: gabarito é divulgado nesta segunda-feira; veja como consultar

Como agradecer um elogio profissional?

"Qual seu nível de inglês?": como responder na entrevista de emprego

Quais são as 10 principais habilidades para ser um bom líder

Mais na Exame