Acompanhe:

Seja "customer centric" or die, diz cofundador da RD Station

Em um mercado globalizado e cada vez mais tecnológico, com alta concorrência entre as empresas, o cliente ganha poder de barganha na estratégia de negócios

Modo escuro

Continua após a publicidade
Quanto maior a concorrência maior o poder do cliente (Foto/Thinkstock)

Quanto maior a concorrência maior o poder do cliente (Foto/Thinkstock)

B
Bússola

Publicado em 12 de maio de 2022 às, 20h10.

Em um mercado muito globalizado e tecnológico, com cada vez mais oferta de produtos, serviços e novos modelos de negócios, as empresas que não colocarem o cliente no centro de suas estratégias de negócio verão suas chances de sucesso diminuírem drasticamente.

O cofundador da RD Station, empresa referência em marketing digital e autor do livro “Máquina de aquisição de clientes”, André Siqueira, explica: quanto maior o número de produtos no mercado, maior a concorrência, e quanto maior a concorrência maior o poder do cliente, que pode barganhar entre os inúmeros fornecedores, buscando o melhor custo-benefício.

Conforme Siqueira, nessa disputa por clientes, as empresas se veem cada vez mais pressionadas do ponto de vista financeiro, expressado por indicadores como o Custo de Aquisição de Clientes (CAC) e o Lifetime Value (LTV). O primeiro, explica Siqueira, refere-se a todo o valor investido em marketing e vendas para cooptar um cliente e acaba ficando mais caro porque há muitas outras empresas disputando a atenção do cliente em potencial.

O segundo, que representa o gasto de cada cliente durante toda a sua vida útil adquirindo os produtos da empresa, fica prejudicado, porque a companhia não pode subir o preço do produto, sob o risco de perder o cliente para o concorrente.

“Assim, a organização que não consegue vivenciar o cliente como prioridade estarão ameaçadas”, declara Siqueira. E é a partir dessa luta pela sobrevivência que ganha cada vez mais força a cultura “customer centric”, que nada mais é do que uma empresa colocar o cliente no centro de suas decisões estratégicas, táticas, técnicas e operacionais.

Um estudo da Deloitte, uma das maiores organizações de serviços profissionais do mundo, comprova como adotar esse conceito como estratégia de negócio é benéfico para as empresas na atualidade. Conforme o levantamento da companhia, empresas “customer centric” são 60% mais lucrativas do que empresas “product centric”.

De acordo com Siqueira, nessa guinada de uma empresa tradicional com foco no produto para uma empresa inovadora com foco no cliente, a filosofia passa ser a de servir clientes, com todas as decisões sendo tomadas a partir dele (outside-in) no lugar de ser a de vender produtos para quem os compre (inside-out). E a jornada do produto deixa de ser a do processo de venda para se tornar aquela que vai do aprendizado sobre o cliente até a sua fidelização. “Na cultura dessa nova empresa não se comemora venda, mas cliente satisfeito”, diz ele, ressaltando que a capacidade de reter o cliente, mantê-lo fiel, torna-se o grande diferencial de uma empresa que se pretende vencedora.

Além de aumentar a retenção dos clientes, a cultura “customer centric” traz outros benefícios às organizações, tais como: transformar os clientes em promotores de marca; reduzir o CAC e o lifetime value, dois grandes desafios em um mercado com alta concorrência; e aumentar a vantagem competitiva.

Para que empresa consiga colocar em prática com excelência as mudanças necessárias que visam colocar o cliente como centro do negócio, ela necessita de alguns cuidados. Segundo Siqueira, a base de todos as ações é o ótimo entendimento do cliente. “Essa compreensão não deve ser mediana, fundamentada em um desenho padrão ou em achismos, mas intencional”. Alguns softwares podem ajudar nessa tarefa, coletando e armazenando dados e informações relevantes sobre os clientes.

Mapear a jornada de compra do cliente e ouvir o que ele tem a dizer sobre a empresa também são boas estratégias para conhecê-lo melhor. De acordo com Siqueira, para entender como a experiência atende o consumidor e onde ela pode ser melhorada, o Net Promoter Score (NPS), metodologia de satisfação de clientes que avalia o seu grau de fidelidade, é uma boa ferramenta.

Além disso, ele afirma que a empresa deve fortalecer o posicionamento da marca, através da comunicação clara e direta de seus pontos fortes, a fim de manter o mesmo público. “Posicionamento não é discurso, é prática.”

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Apenas 10% das empresas utilizam recursos públicos para inovação

Após compra pela Zenvia, startup brasileira vira top 10 na América Latina

Bússola Trends: Venda humanizada e engajamento no marketing de influência

Últimas Notícias

Ver mais
McDonald’s compra todas as franquias da marca em Israel
Mundo

McDonald’s compra todas as franquias da marca em Israel

Há 6 dias

Nunca sai de moda: vendas diretas da Levi's crescem e ações sobem 7%
seloMercados

Nunca sai de moda: vendas diretas da Levi's crescem e ações sobem 7%

Há uma semana

Esta capital do Sul liderou aumento nos preços de venda de imóveis em março
seloMercado imobiliário

Esta capital do Sul liderou aumento nos preços de venda de imóveis em março

Há uma semana

Entenda o que é o organograma e como fazer um de qualidade
seloGuia de Carreira

Entenda o que é o organograma e como fazer um de qualidade

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais