Bússola
Um conteúdo Bússola

Gente & Gestão: a pior parte de ser CEO

Na coluna deste mês, Carlos Guilherme Nosé conta qual a coisa mais chata na sua posição. Uma dica: não é o pouco tempo com a família nem a alta carga de horas dedicadas

Me perguntaram: “Gui, qual a pior parte de ser CEO?”  (imtmphoto/Getty Images)

Me perguntaram: “Gui, qual a pior parte de ser CEO?”  (imtmphoto/Getty Images)

Carlos Guilherme Nosé
Carlos Guilherme Nosé

CEO e sócio da FESA Group - Colunista Bússola

Publicado em 25 de abril de 2024 às 09h00.

Tudo sobreCEOs
Saiba mais

Esses dias fiz minhas usuais conversas com todo nosso time. Faz parte da nossa cultura essas conversas francas, literalmente sem crachá e não necessariamente sobre nosso negócio. Falo sobre como é torcer para o Corinthians numa fase difícil como essa, sobre como educo meus filhos, meus hobbies, minha história e por aí vai. 

As perguntas são desafiadoras e criativas, mas uma delas me fez refletir muito na hora e por alguns dias seguintes, pois as variações e complementariedades da resposta iam pipocando na minha mente. 

A pergunta foi: Gui, qual a pior parte de ser CEO?” 

Na hora e como reação imediata, foi dizer que era a alta carga de horas dedicadas, ver menos a família e que também era uma ilusão achar que o CEO manda em tudo. Brinquei com o time dizendo que nem tudo era do jeito que eu queria, que o CEO tem que envolver o time, dar espaço para as áreas tocarem suas atividades com certa liberdade e etc. 

E como antecipei, dias depois eu dirigindo e pensando no tema ainda me veio outra parte muito chata de ser CEO: as pessoas mentem mais para você. 

Sei lá por que, talvez o medo natural de falar com o CEO, medo de assumir suas decisões ou falhas. Enfim, e isso me intriga. 

A vida é tão mais fácil quando somos diretos e transparentes, mas as pessoas insistem em mentir, inventar ou criar situações nebulosas para se protegerem, e tudo fica mais complicado. Gasta-se tanto tempo em primeiro descobrir qual a é a real situação, para depois sim, tratar da solução. 

Fui atrás de alguns números que pudessem me ajudar a entender isso. Há quem diga que a presença da mentira obedece ao princípio de Pareto (também conhecido como regra dos 80/20): 20% das pessoas contam 80% das lorotas e os 80% restantes falam os outros 20%. Você como líder, está em qual parte dessa regra de Pareto? E como liderado? 

Não contente, fui buscar mais informações sobre o tema e descobri que a Universidade de Notre Dame realizou uma pesquisa em 2022, por 10 semanas consecutivas, onde analisou o impacto da diminuição de mentiras nas pessoas. Foi notório a TODOS os participantes uma melhora na tensão, menos dores de cabeça e menos dores de garganta. Conclusão: mentir faz mal a sua saúde

Tenho um grande amigo CEO que dizia que quando entrevistava alguém, no final da conversa ele dizia: “Você é mentiroso?” Óbvio que o candidato respondia um alto e sonoro “NÃO”! E ele completava: “OK, mas se você for, eu vou descobrir e mentiroso aqui não funciona. Então nós dois perderemos tempo”. 

Por mais pessoas diretas e honestas assim. O mundo precisa disso, principalmente, o mundo corporativo. 

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

 

Acompanhe tudo sobre:CEOsGestão de pessoas

Mais de Bússola

Boom da IA: entenda como investimento nas startups tech cresceu 1045% vezes no 1º trimestre de 2024

Julian Tonioli e Leo Pinho: o cofre secreto dos negócios de aço e concreto

Por que o Brasil celebra o Dia dos Namorados em uma data diferente do resto do mundo?

Ivson Coêlho: por que mudança na MP 1227 pode trazer incerteza para o ambiente de negócios?

Mais na Exame