Bússola
Um conteúdo Bússola

Equilíbrio, reconexão e a senha do wi-fi

A essência de todo ser humano está na natureza

Você consegue mesmo se desconectar?  (Leandro Fonseca/Exame)

Você consegue mesmo se desconectar? (Leandro Fonseca/Exame)

Bússola
Bússola

Plataforma de conteúdo

Publicado em 24 de abril de 2023 às 08h05.

Por Michelle Andreazza*

Você já observou qual é a sua primeira preocupação ao chegar em uma hospedagem, onde passará alguns dias descansando? Arrisco dizer que é descobrir a senha do wi-fi, mas se o objetivo realmente é desconectar, o que acha de simplesmente desligar o celular? Talvez esse seja um bom ponto de partida para os apelos de autoajuda e soluções antiestresse milagrosas, porém nem eu, nem você ou a maioria das pessoas que vive uma vida com tantos aspectos para cuidar conseguiria. Certo? E, sinceramente, talvez nem deva desligar. Eu acredito muito mais no caminho do equilíbrio e da reconexão. Essa é a reflexão que quero trazer aqui.

Nasci em Porto Alegre e fui uma criança que cresceu bem perto da natureza, no interior do Rio Grande do Sul, quando ia passar férias na casa da minha vó. Aos 14 anos, me tornei modelo e fui morar em São Paulo. Durante muitos anos, participei de eventos e vivi um mundo louco, com alta pressão psicológica para ser magra e aparentar estar sempre bem.

Depois, trabalhei com comunicação, tecnologia e publicidade. Atividades que facilmente levam qualquer profissional a ultrapassar os próprios limites. O fato de, desde muito jovem, recorrer à meditação e a uma alimentação mais saudável – e fazer longas trilhas (trekking) com meu marido – me ajudaram a não ser uma forte candidata ao burnout, mesmo tendo chegado muito perto.

A vulnerabilidade humana foi intensificada e despertada na pandemia, deixando muita gente depressiva e ansiosa. O simples desconectar de tecnologias, ir para um lugar paradisíaco e entrar em contato com o meio ambiente, trazem um relaxamento momentâneo, mas não vão nos tornar menos preocupados ou mais zen. Nosso modo de vida, que nos liga a um universo de informações, demandas e papéis a cumprir, nos afasta da nossa essência, silencia a nossa ‘criança interior’, e por isso enfraquecemos.  O despertar para a reconexão com o que somos verdadeiramente é a chave para nos tornarmos pessoas menos estressadas e mais felizes.

A essência de todo ser humano está na natureza. Quando nos tornamos adultos, nos esquecemos de coisas simples, mas é possível provocar a criança interior através do despertar dos sentidos. Ao explorar uma caverna, por exemplo, quando as lanternas se apagam, resta o escuro total e um silêncio tão profundo que se ouve as batidas do coração. Você já viveu essa experiência? Eu já, e é inesquecível.

Outra experiência incrível, que traz uma sensação de paz e força interior, é subir uma montanha que tenha uma cachoeira, e se aproximar da queda da água. Sentar-se ali no alto e respirar profunda e intensamente, se permitir sentir a vibração no chão. Já o som da forte queda d’água faz nossos corpos arrepiar e a resposta a esse estímulo promove uma alta sensação de leveza.

Normalmente relacionamos o tato ao toque, mas para além de tocar ou pegar algo, tente parar e fechar os olhos para sentir o vento batendo na sua pele. Pisar com pés descalços na grama, na pedra, na areia, na terra. Sentir diferentes texturas. Deixar os pés na água corrente do rio, geladinha. humm bom demais! Há quanto tempo você não anda descalço? Cientificamente, isso se chama "aterramento" e já é comprovado que esse contato direto com a terra traz inúmeros benefícios para a saúde.

Um bem sem tamanho também vem das cores. Olhar para as cores, não do neon ou das vitrines, mas das flores, dos verdes, do mar… E se nutrir dessas lindas variações também na hora de se alimentar, explorando o universo das Pancs (plantas alimentícias não convencionais), frutos e frutas.

Voltando à internet, se você for a um lugar que ofereça o contato com a natureza e, junto, um estímulo para o despertar dos sentidos por meio de atividades de bem-estar, como meditação, respiração e outras tantas terapias holísticas incríveis, ou até mesmo um retiro em grupo, ou individual, você pode (e até deve) ter a senha do wifi. Mas aqui também aposto que a sua necessidade de usá-la vai diminuir. Esse é o equilíbrio proposto pelo Turismo de bem-estar – segmento de turismo dedicado a viagens com mais propósito, onde as pessoas buscam por reconexão, contato com a natureza, momentos de autocuidado e ações sustentáveis. Algo que existe com força em outros países e, não por acaso, movimenta US$ 435,7 bilhões no mundo, de acordo com o Global Wellness Institute (GWI).

Na volta, quando estiver em plena correria do trabalho, ou imersa numa nuvem de estresse e preocupações, pense na sua pausa – em casa, no parque, em uma praça agradável, experimente um momento de silêncio e preste atenção no canto dos pássaros que vivem nas cidades grandes. Sinta que dá para guardar a reconexão dentro de si, e acessá-la em de qualquer lugar, a qualquer momento. Sempre que precisar recuperar a energia, o fôlego, a criatividade, resgate a alegria da sua criança interior e tenha uma vida mais leve.

*Michelle Andreazza é idealizadora e CEO do Amo estar bem

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube 

Veja também

Marketplace ganha força em estratégias de performance e branding

Lucro & geração de caixa, gato e rato?

Dry Telecom quer 1 milhão de clientes e faturar R$ 40 milhões em 2023

Acompanhe tudo sobre:qualidade-de-vidaBem-estarempresas-de-tecnologia

Mais de Bússola

Bússola & Cia: Travel Next revela crescimento do turismo em MG

Boom da IA: entenda como investimento nas startups tech cresceu 1045% vezes no 1º trimestre de 2024

Julian Tonioli e Leo Pinho: o cofre secreto dos negócios de aço e concreto

Por que o Brasil celebra o Dia dos Namorados em uma data diferente do resto do mundo?

Mais na Exame