Bússola
Um conteúdo Bússola

Empresas que negligenciam o bem estar falham com seus colaboradores

Com muitas pessoas sofrendo com problemas psicológicos, a saúde mental se tornou um assunto muito discutido no trabalho

4 a cada 5 pessoas consideram o bem estar uma questão tão importante quanto o salário (Klaus Vedfelt/Getty Images)

4 a cada 5 pessoas consideram o bem estar uma questão tão importante quanto o salário (Klaus Vedfelt/Getty Images)

Bússola
Bússola

Plataforma de conteúdo

Publicado em 15 de março de 2023 às 18h00.

A saúde mental se tornou um dos temas mais discutidos dentro e fora do trabalho. Afinal, estamos vivendo uma crise de bem-estar em que grande parte da população sofre com transtornos mentais e a maioria dos trabalhadores enxerga este pilar como um fator crucial para se manter em um emprego. Segundo o Panorama do bem-estar corporativo 2022, realizado pelo Gympass com mais de 9 mil profissionais, para 4 em cada 5 pessoas o bem-estar é um pilar tão importante quanto o salário.

Ainda segundo essa mesma pesquisa, no Brasil, 20% dos colaboradores classificam seu bem-estar como “poderia melhorar”, “ruim” ou “muito ruim”, o que significa que um em cada cinco funcionários não sente que tem bem-estar no trabalho. Avaliando esses dados me parece muito claro que investir em saúde mental e na qualidade de vida dos colaboradores é uma questão de obrigação das companhias que desejam promover um ambiente de trabalho saudável.

Mas se ter uma força de trabalho feliz e saudável não for motivo suficiente para investir nas pessoas, fique tranquilo pois o retorno em bem-estar também vai impactar diretamente os resultados destas companhias. Já foi comprovado em diversos estudos que funcionários mais felizes são mais produtivos, mais engajados e geram menos custos com saúde.

Segundo uma pesquisa do Brandon Hall Group, 89% das empresas que monitoraram as despesas com o bem-estar dos colaboradores notaram um claro retorno sobre o investimento, ilustrado pelo aumento do engajamento dos colaboradores, da satisfação dos clientes e da rentabilidade.

Para aqueles que já investem, mas estão na dúvida se estão conseguindo medir a eficácia dessas ações sugiro dois tipo de análise:

  • Retorno sobre o investimento (ROI), que mensura resultados mais tangíveis (e provavelmente mais presentes na mente da liderança da empresa). Dois exemplos são a redução nos custos com assistência médica e também o número de faltas no trabalho.
  • Valor sobre o investimento (VOI), que mensura resultados mais subjetivos (porém igualmente importantes para comprovar a eficácia de uma estratégia de bem-estar). Dois exemplos: maior retenção e satisfação dos colaboradores.

Com esses dados em mãos, os times de Pessoas poderão entender se os programas estão atendendo as necessidades dos colaboradores e  gerando o retorno esperado e assim criar planos de ação para um futuro do trabalho em que a saúde mental seja uma prioridade.

*Renato Basso é vice-presidente de Pessoas do Gympass, maior plataforma de bem-estar corporativo do mundo.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

O equilíbrio entre trabalho e vida pessoal está morto

Líder de sucesso não teme rever crenças e mudar de opinião

Como anda a saúde financeira do seu colaborador?

Acompanhe tudo sobre:Recursos humanos (RH)Gestãosaude-mental

Mais de Bússola

Análise do Alon: uma briga combinada?

Pesquisa aponta que 73% dos brasileiros rejeitam imposto seletivo sobre bebidas açucaradas

Campanha da SAZÓN no BBB24 mais que dobrou número de novos usuários no e-commerce

Dia Internacional da Mulher na Engenharia: sejamos hoje o modelo para as líderes do futuro

Mais na Exame