Acompanhe:

Conselheiros, chegou a hora de estudarem a inovação

É preciso ir muito além dos resultados financeiros

Modo escuro

Continua após a publicidade
Inovação: Brasil representa 77% do mercado de startups na América Latina (patpitchaya/Getty Images)

Inovação: Brasil representa 77% do mercado de startups na América Latina (patpitchaya/Getty Images)

B
Bússola

Publicado em 7 de março de 2022 às, 07h00.

Por Hugo Tadeu*

Está mais do que evidente que as agendas da inovação e transformação digital estão presentes no dia a dia das organizações e os desafios são consideráveis. Desde mudanças radicais no comportamento econômico, todos os dias, um conjunto grande de variáveis surge para as lideranças, destacando novas tecnologias, startups com resultados importantes, concorrentes reestruturando a sua oferta de valor e novos modelos de negócio.

Além disso, existe o avanço dos fundos de investimento, alocando capital em empresas focadas no cliente, adotando o conceito da inovação aberta, isto é, parcerias com startups e fornecedores potenciais, reduzindo o custo do capital a partir de práticas inovadoras nunca pensadas.

Ou seja, pensar na tradicional pesquisa e desenvolvimento é relevante, mas já tem muita gente conseguindo traduzir conhecimento de ponta em novos mercados, porém mais rapidamente e com custos menores.

Para as organizações tradicionais, a sugestão é dar um passo atrás e pensar na governança. Isto é, antes das possíveis análises sobre a estrutura adequada para inovar e até mesmo para os investimentos necessários em tecnologias ditas do futuro, chame a sua equipe de gestão e o conselho e garanta um grande avanço: volte aos bancos escolares.

Já é passada a hora de reduzir a enorme importância dada somente para as linhas dos resultados financeiros. Muito tempo tem sido gasto por gestores profissionais, nas análises sobre geração de caixa, custos operacionais, despesas e taxas de retorno. Uma organização vai muito além disso.

É preciso pensar no desenvolvimento e na atração de novos talentos, na criação de uma visão futura do negócio, no estabelecimento de uma cultura intraempreendedora, no estabelecimento de parcerias e resultados para a inovação.

Neste sentido, pensar em inovação não é o mesmo que escrever uma equação linear. É essencial testar novos caminhos, criar um ambiente seguro, favorável ao diálogo, cooperação e sinergia entre áreas de negócio. Mais do que isto, torna-se determinante confiar nas equipes e estimular a autonomia, em especial, contratando pessoas com alto desempenho e conhecimento notório no que fazem.

Ou seja, foque menos no controle do que na busca por novos mercados. Pense quando o negócio teve o seu primeiro dia de vida, ainda na fase empreendedora, quando o sonho era maior do que o resultado. Que tal voltar neste tempo?

Finalmente, aprende-se desde criança, que o exemplo vem dos pais. No jargão popular, tudo “vem de cima”. Se os conselhos ainda persistirem em modelos em busca de resultados financeiros, mas sem saberem organizar a inovação, de nada adiantará contratar as melhores consultorias ou executivos gabaritados de mercado. Como é dito em Minas Gerais, “santo de casa não faz milagre”. Chegou a hora de aprender a reaprender para construir algo novo.

*Hugo Tadeu é diretor do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC e Senior Advisor da Deloitte

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedInTwitter | Facebook | Youtube

Veja também

Hugo Tadeu: o que inflação e riscos têm a ver com as novas tecnologias

O que pensam as pessoas sobre o papel do Estado na economia

iPhone: O que está por trás do celular mais famoso do mundo

Últimas Notícias

Ver mais
Bússola & Cia: após crescer 42%, logtech ‘Eu Entrego' faz rebranding
Um conteúdo Bússola

Bússola & Cia: após crescer 42%, logtech ‘Eu Entrego' faz rebranding

Há um dia

LGPD: veja explicações para principais dúvidas sobre a Lei Geral de Proteção de Dados
Um conteúdo Bússola

LGPD: veja explicações para principais dúvidas sobre a Lei Geral de Proteção de Dados

Há uma semana

Organograma: o que é, para que serve e principais modelos
seloCarreira

Organograma: o que é, para que serve e principais modelos

Há uma semana

“A minha carreira começou na infância”, diz Tarcísio Zanon, carnavalesco da Viradouro, campeã do Rio
seloCarreira

“A minha carreira começou na infância”, diz Tarcísio Zanon, carnavalesco da Viradouro, campeã do Rio

Há 2 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais