Bússola
Acompanhe:
Um conteúdo Bússola

Ano Novo: Desconecte-se de velhos hábitos e tenha um 2023 mais leve

Hora de rever nossas ações em 2022 e pensar na melhora

A pandemia tem impactos até hoje na sociedade (Wendell Teodoro/Getty Images)

A pandemia tem impactos até hoje na sociedade (Wendell Teodoro/Getty Images)

A
Allessandra Canuto e Valéria Oliveira*

16 de janeiro de 2023, 18h00

Todo início de ano é uma época em que revemos tudo o que fizemos nos 12 meses que passaram, o que ficou perdido pelo caminho e os ajustes que ainda necessários para os próximos meses. Já perceberam o quanto nos cobramos e criamos expectativas que nos desconcentram e tiram o nosso foco?

E não é para menos. Há quase três anos entramos em uma pandemia que gerou impactos significativos na vida de toda a sociedade. Mudamos a maneira de conviver, interagir, se comunicar, consumir e trabalhar.

Diante das transformações drásticas desse período, tivemos que lidar com despedidas, distância, medo e ansiedade. Os debates sobre home office, híbrido ou presencial ainda causam insegurança e falar sobre saúde mental, inclusive, no ambiente corporativo, nunca esteve tão em voga.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) já reconheceu o fenômeno generalizado de cansaço decorrente da pandemia e apelidou o sintoma de “fadiga pandêmica”. Uma pesquisa da instituição constatou que ela afeta 60% da população e é consequência do esgotamento gerado pela hipervigilância, pelo medo de um vírus que ninguém vê e de todas as mudanças de rotina necessárias. Some a isso uma crise econômica, política, a discussão sobre o futuro do país e a escolha dos novos líderes que desgastaram diversas relações seja no ambiente físico ou no digital. Sim, tudo isso esgota mentalmente e fisicamente.

E perguntamos: o que estamos fazendo para ter um 2023 descansados?

Há uma saída

A boa notícia é que para todo cansaço há um descanso, mas para isso é preciso aceitar algumas mudanças. Se a sua lista de promessas para esse ano já está extensa, então é melhor rever cada ponto dela. Provavelmente, existem várias questões, planos e projetos que já não cabem mais.

A nossa sugestão é que em vez de acumular mais promessas e mais carga, comece a tirar algumas coisas para que tudo fique mais leve.

É preciso se desconectar de velhos hábitos para que a gente siga uma vida melhor.

Pare de se punir

Muitas vezes, ficamos presos a sentimentos que vão nos matando lentamente.  A culpa, por exemplo, faz com que a gente fique muito tempo paralisado diante de diversas situações.

Ficamos nos punindo de algo que não conseguimos realizar e acabamos não enxergando as oportunidades que aparecem bem debaixo do nosso nariz. Tudo isso gera uma autoexigência, que nos leva a mais cansaço, estresse, medo e ansiedade.

É preciso se libertar, ser menos exigente e muito mais leve!

Não se compare tanto com os outros

Outra coisa que vem preocupando a nossa sociedade é o quanto nos comparamos. Estamos sempre "olhando a grama do vizinho para saber se está mais verde". Queremos saber se alguém está mais feliz, mais rico, mais satisfeito profissionalmente que a gente.

Embora fazer comparações seja algo nato do ser humano,  quando isso vira um hábito, é preciso acender o sinal de alerta. Afinal, estar em permanente estado de comparação com o outro é um comportamento extremamente tóxico.

Ao se comparar com outras pessoas, seja em suas características físicas, financeiras, intelectuais, entre outras, é bem possível que impedimos que nossas potencialidades sejam ativadas para a realização dos nossos próprios desejos.

Dessa maneira, a frustração e a infelicidade acabam fazendo parte do dia a dia, dando espaço para crises de ansiedade e depressão.

Ninguém precisa viver dessa maneira. Reconheça que você é bom e supere o que precisa melhorar!

Aprenda a desistir

Já ouviu aquela expressão que diz que ficamos "dando murro em ponta de faca"? Pois é, muitas vezes, temos o péssimo hábito em insistir em coisas que não nos cabem mais.

Não dá para continuar gastando tempo e energia em algo que já não está trazendo resultado positivo. É preciso desistir, jogar a toalha, deixar ir por mais difícil que seja.

Pode até ser que desistir traga um sentimento de fracasso, mas isso também abre lugar para o novo e para outras oportunidades.

Este é o nosso convite para esse ano que se inicia. Que em 2023 você seja capaz de esvaziar o que te pesa, silenciar o que te desgasta e deixar para trás velhos hábitos para se abrir para o que realmente importa.

*Alessandra Canuto é especialista em temas comportamentais e gestão da cultura, e Valéria Oliveira é especialista em desenvolvimento de líderes e gestão da cultura

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Em um mundo mais complexo, liderança precisa de foco e consciência

Futebol guia gestão de pessoas em escritório nascido de um time de amigos

Em um mundo mais complexo, liderança precisa de foco e consciência