Bússola
Um conteúdo Bússola

3 perguntas de ESG para Patrícia Nader, da Good Karma Partners

Líder de ESG da gestora que possui R$ 400 milhões para aportar em empresas de saúde, educação e mudanças climáticas fala de método criado para avaliar impacto

Patrícia Nader, líder de ESG da Good Karma Partners (Divulgação/Divulgação)

Patrícia Nader, líder de ESG da Good Karma Partners (Divulgação/Divulgação)

Renato Krausz
Renato Krausz

Sócio-diretor da Loures Consultoria - Colunista Bússola

Publicado em 27 de abril de 2023 às 21h00.

Última atualização em 6 de novembro de 2023 às 17h44.

1. Como é a metodologia desenvolvida pela gestora para avaliar impacto socioambiental dos investimentos?

Patrícia Nader: A Good Karma nasceu com o propósito de ativar capital financeiro e intelectual para escalar empresas que estejam resolvendo grandes desafios globais, gerando retorno financeiro.  Diferente da análise financeira, em que existe consenso sobre quais métricas se deve utilizar para calcular o retorno, no impacto ainda não existia esse conceito bem difundido.

Por isso, desde o começo, colocamos como prioridade trazer o mesmo rigor do mundo financeiro para o de impacto, para medir e sobretudo monetizar efetivamente o benefício socioambiental que foi produzido. Então fizemos uma parceria com o Insper Metricis para elaborar um Guia de Monetização de Impacto Social e uma métrica própria. E assim nasceu o Mdl (Múltiplo de Impacto), que se baseia em evidências para projetar um fluxo de caixa de impacto para cada empresa, e que assim permite dizer que valor em reais foi gerado na sociedade para cada R$ 1 investido na empresa. O que buscamos é trazer para o mundo do impacto o mesmo rigor das métricas do mercado financeiro, saindo da subjetividade

O cálculo da Good Karma compreende cinco etapas: 1) construção da narrativa de impacto; 2) avaliação da relevância e escala; 3) identificação dos resultados sociais e/ou ambientais alvos; 3) estimativa do valor econômico desses resultados para a sociedade; 4) ajuste para riscos; e 5) cálculo do retorno social de cada real investido. Os cálculos matemáticos são bastante complexos e se baseiam em estudos científicos e evidências. Quando não há precisão de dados, é aplicado um “desconto” do impacto gerado, para evitar contabilização exagerada ou fora da realidade.

2.Como isso se dá na prática com as principais investidas da Good Karma?

Patrícia Nader: Na prática, o cálculo apresenta a relevância, avalia a viabilidade e justifica os investimentos. Nesse sentido, a mensuração de impacto aparece como uma das ferramentas mais valiosas para os projetos de impact growth, principalmente porque, no fim do dia, o que se busca é o impacto, claro, mas também o retorno financeiro. Já concluímos o MdI de todas as empresas do nosso portfólio:

  • em Zenklub, que é plataforma que conecta psicólogos e pacientes, considerando os ajustes de risco, a perpetuidade, a participação da Good Karma na empresa e o capital investido, o múltiplo de impacto estimado é de 6,4 vezes, ou seja, para cada real que o fundo colocou na Zenklub, estão sendo criados R$ 6,40 de impacto social. Considerando o ciclo total de investimento, chegou-se a um impacto de R$ 1 bilhão. O cálculo de retorno social do investimento realizado no Zenklub usou dados da própria startup e estudos de publicações de renome, como The Lancet.

Para o cálculo do impacto social, o Zenklub tem dois públicos-alvo: pacientes e profissionais. Para calcular o lado do paciente, estimou-se que 1 milhão de pessoas poderiam ser impactadas pela empresa num período de cinco anos. Dessas pessoas, cerca de 400 mil seguiriam um tratamento continuado e 16% se recuperariam da depressão.  Cada pessoa que sai de um quadro de doença tem um aumento de renda médio de 42%, além de 7 a 10 anos adicionais de vida, o que representa um aumento de renda de R$ 600 milhões. Na outra ponta, mais de 14 mil profissionais de saúde teriam um incremento de renda de R$ 300 milhões. Somando os dois públicos, chegou-se a um impacto de R$ 900 milhões gerado pela Zenklub em cinco anos.

  • em Rehagro, escola de educação profissional para o campo, o cálculo resultou em um múltiplo de 12,8 vezes. Com isso, a Good Karma calcula que o retorno social do investimento no Rehagro é de R$ 1,2 bilhão de impacto. O ganho de produtividade foi o principal pilar analisado no MdI do Rehagro. Para os efeitos sociais, foi levado em conta o perfil dos alunos e que os egressos aumentarão em 3,8% a produtividade que geram nas propriedades em que atuam, após a conclusão dos estudos, resultando em maior produção de alimentos na mesma área plantada.

Na parte ambiental, estimamos as emissões evitadas de gases do efeito estufa, assim como as melhorias no nível de produtividade do solo geradas pelo aprimoramento do manejo. Para chegar no cálculo do MdI de Rehagro, a gestora multiplicou o valor presente líquido atribuído ao impacto social e ambiental da empresa pela participação do fundo, e dividiu pelo valor investido, resultando no múltiplo de 12,8 vezes. O impacto de R$ 1,2 bilhão considera 61% de aumento na produção de alimentos e 39% de redução de carbono, dois fatores resultantes do aumento da produtividade gerado pelo projeto, mais o valor da perpetuidade.

  • em Neuralmed, empresa de diagnóstico precoce de doenças, com a avaliação do MdI foi possível medir um potencial de gerar mais de R$ 1 bilhão de impacto, representando um retorno de 18,09 vezes para cada real aplicado na iniciativa. Para esse cálculo, considera-se que 154 mil vidas de pacientes crônicos e mais 155 mil de pacientes oncológicos poderão ser impactadas diretamente pela atuação da NeuralMed, cujo diagnóstico precoce é capaz de proporcionar um aumento de sobrevida dos pacientes e dos anos de produtividade profissional.
  • em Vertuos, empresa de descarbonização de processos industriais, concluímos que há um grande potencial de geração de impacto positivo a partir da valorização integral dos resíduos gerados por indústrias poluentes, representando uma significativa contribuição para a descarbonização destes processos produtivos. A empresa tem o potencial de gerar um MdI de 9,3 vezes, evitando a emissão de 9 milhões de toneladas de CO2.

3.Esses retornos obtidos estão dentro do esperado pelos investidores? Qual a importância que eles dão à medição?

Patrícia Nader: Aqui na Good Karma estabelecemos, entre outras coisas, que nossos investimentos precisam dar, pelo menos, duas vezes de impacto cada real investido. Mas estamos revisitando essa meta, porque notamos que esse retorno pode ser muito maior, dentro de um projeto bem elaborado e realmente de impacto. As quatro empresas do nosso portfólio têm, em conjunto, o potencial de entregar um múltiplo médio de quase 11 vezes, ou seja, mais de 5 vezes a nossa meta inicial. E do lado de retorno financeiro, todas as empresas estão entregando as teses propostas, crescendo em 2022 mais de 50% em relação ao ano anterior e demonstrando que não é preciso abrir mão de retorno financeiro para gerar impacto – é justamente o contrário.

A medição é fundamental para a prática de investimento de impacto. Ela demonstra o impacto socioambiental que esses investimentos estão tendo, o que legitima ainda mais a prática. A medição eficaz gera valor para todas as partes interessadas em investimentos de impacto, mobiliza mais capital e aumenta a transparência e a responsabilidade pelo impacto gerado.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

ESG: startup usa triciclos elétricos para coleta seletiva em Fortaleza

Danilo Maeda: Pensamento sistêmico e economia circular

Danilo Maeda: O começo do círculo

Acompanhe tudo sobre:Bússola ESG

Mais de Bússola

3 dicas para escolher a profissão certa

Setor de bebidas não alcoólicas, catadores e governo criam campanha de conscientização ambiental

Ela já coleciona 62 medalhas de ouro no jiu-jitsu e na luta livre (e tem apenas 12 anos)

3 dicas fundamentais para construir autoridade online (e alavancar as vendas)

Mais na Exame