Brasil

"Vamos acabar com o cocô" que são corruptos e comunistas, diz Bolsonaro

Recentemente, um repórter perguntou se era possível crescer preservando o meio ambiente e o presidente recomendou que ele evacuasse dia sim dia não

Jair Bolsonaro: "A Argentina está mergulhando no caos" (Alan Santos/PR/Getty Images)

Jair Bolsonaro: "A Argentina está mergulhando no caos" (Alan Santos/PR/Getty Images)

R

Reuters

Publicado em 14 de agosto de 2019 às 13h47.

Última atualização em 14 de agosto de 2019 às 14h23.

São Paulo — O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quarta-feira que "bandidos de esquerda" começam a voltar ao poder na Argentina, em referência ao resultado das primárias presidenciais no país vizinho, em que o presidente Mauricio Macri, aliado de Bolsonaro, foi derrotado por ampla margem por Alberto Fernández, que tem como candidata a vice a ex-presidente Cristina Kirchner.

"Olha o que está acontecendo com a Argentina agora. A Argentina está mergulhando no caos. A Argentina começa a trilhar o rumo da Venezuela, porque, nas primárias, bandidos de esquerda começaram a voltar ao poder", disse o presidente em Parnaíba, no Piauí, onde participava de cerimônia alusiva a um projeto de irrigação.

A eleição presidencial na Argentina está marcada para outubro, mas as primárias, realizadas no domingo, são apontadas como uma prévia do que deve ocorrer na eleição geral e a vantagem obtida pela coalizão de Fernández sobre a de Macri indica amplo favoritismo da oposição no pleito.

Em seu discurso, transmitido ao vivo em uma rede social, Bolsonaro também disparou uma série de ataques ao PT, à esquerda e aos comunistas.

Ele disse que, nas próximas eleições, a "turma vermelha" será varrida do Brasil e voltou a acusar governadores da Região Nordeste --amplamente governada pela oposição a Bolsonaro-- de buscarem dividir o país.

"Quando a gente vê agora pelo Brasil alguns governadores querendo separar o Nordeste do Brasil, esses cabras estão no caminho errado. O caminho do Brasil é um só: um só povo, uma só raça, uma só bandeira verde e amarela", disse o presidente, ao lado do prefeito de Parnaíba, o ex-senador Mão Santa, a uma plateia de apoiadores que o aclamava como "mito".

"O Mão Santa me disse agora há pouco, que nós vamos acabar com o cocô no Brasil. O cocô é essa raça de corrupto e comunista, Nas próximas eleições, nós vamos varrer essa turma vermelha do Brasil. Já que na Venezuela está bom, vamos mandar essa cambada para lá. Quem quiser um pouquinho mais para o norte, vai até Cuba."

A declaração de Bolsonaro é uma referência a um de seus mais recentes comentários controversos quando, ao responder à pergunta de um repórter sobre se é possível crescer preservando o meio ambiente, recomendou que o jornalista comesse menos e evacuasse uma vez a cada dois dias.

Bolsonaro também afirmou que "apesar de a petralhada ter roubado quase tudo no Brasil", recorrendo a uma forma depreciativa de se referir aos petistas, seu governo tem se esforçado para entregar obras, como o projeto de irrigação.

"Nós juntos vamos varrer a corrupção e o comunismo do Brasil", afirmou.

Ele também disse que o setor de fruticultura de Parnaíba irá se beneficiar do recente acordo de livre comércio firmado entre Mercosul e União Europeia, que ainda precisa ser ratificado pelos países dos dois blocos.

Acompanhe tudo sobre:Alberto FernándezArgentinaJair Bolsonaro

Mais de Brasil

Câmara aprova a Lei Taylor Swift, que criminaliza cambismo digital

CCJ do Senado aprova projeto que prorroga por 10 anos as cotas para negros em concurso

Pacheco adia sessão sobre vetos, governo evita derrotas, e Lira demonstra insatisfação

Rio registra queda de 25% das mortes violentas no primeiro trimestre

Mais na Exame