Acompanhe:

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, disse nesta quarta-feira, 7, que o governo aguardar a chegada de novas doses da vacina contra dengue para iniciar a imunização no Brasil.

"Em relação a vacina, estaremos divulgando um calendário em breve porque ainda não recebemos todas as doses então estamos esperando esse processo para anunciar", afirmou Nísia durante evento de lançamento do programa Brasil Saudável.

Segundo a pasta, no dia 20 de janeiro foram entregues 757 mil doses. É esperado que mais 568 mil doses cheguem ainda neste mês de fevereiro. O ministério espera imunizar 3,2 milhões de pessoas durante 2024. A expectativa do governo é iniciar a imunização ainda neste mês.

O Brasil vive um aumento de casos neste inicio de 2024. Em janeiro, foram registrados no país 243,7 mil casos de dengue, 3,7 vezes a mais quando comparado ao mesmo período de 2023, segundo informações do Ministério da Saúde.

O Ministério da Saúde afirma que pela primeira vez em anos os quatro sorotipos do vírus causador da doença (1, 2, 3 e 4) circulam no Brasil. Além disso, o fenômeno El Niño que eleva as temperaturas, cria um clima ideal para o mosquito vetor, o Aedes Aegypti, se reproduzir. A Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu um alerta sobre o aumento das arboviroses, doenças causadas pelos arbovírus, que incluem os vírus da dengue, zika, chikungunya e febre amarela. 

Para combater a alta de casos, o Ministério da Saúde coordena desde o ano passado uma série de ações para o enfrentamento do mosquito que transmite a doença em conjunto com os estados e municípios. Para apoiar estados e municípios nas medidas de prevenção e controle, o ministério repassou R$ 256 milhões para todo o país.

Vacinação contra dengue

Entre as iniciativas para combater a alta de casos está a vacinação contra a dengue, que será aplicada na população de regiões endêmicas, em 521 municípios, a partir de fevereiro, o que representa apenas 10% das cidades do país. Segundo o ministério, 16 estados e o Distrito Federal têm municípios que preenchem os requisitos para o início da vacinação. 

O Brasil é o primeiro país do mundo a oferecer o imunizante no sistema público universal. A pasta incorporou a vacina contra a dengue em dezembro de 2023. A inclusão foi analisada de forma célere pela Conitec (Comissão Nacional de Incorporações de Tecnologias no SUS), que recomendou a incorporação.

Quem pode tomar a vacina contra dengue no SUS?

Segundo o ministério, serão vacinadas crianças e adolescentes entre 10 e 14 anos, faixa etária que concentra maior número de hospitalização por dengue – 16,4 mil de janeiro de 2019 a novembro de 2023, depois das pessoas idosas, grupo para o qual a vacina não foi autorizada pela Anvisa. Esse é um recorte que reúne o maior número de regiões de saúde. O esquema vacinal será composto por duas doses, com intervalo de três meses entre elas.

A definição de um público-alvo e regiões prioritárias para a imunização foi necessária em razão da capacidade limitada de fornecimento de doses pelo laboratório japonês Takeda. A primeira remessa com cerca de 757 mil doses chegou ao Brasil no dia 20 de janeiro. O lote faz parte de um total de 1,32 milhão de doses fornecidas pela farmacêutica. Outra remessa, com mais de 568 mil doses, está com entrega prevista para fevereiro.

Além dessas, a pasta adquiriu o quantitativo total disponível pelo fabricante para 2024: 5,2 milhões de doses. De acordo com a empresa, a previsão é que sejam entregues ao longo do ano, até dezembro. Para 2025, a pasta já contratou 9 milhões de doses.

A vacina também protege contra o Zika e o Chikungunya?

A Qdenga previne exclusivamente casos de dengue e não protege contra outros tipos de arboviroses, como Zika, Chikungunya e febre amarela. Vale lembrar que, para a febre amarela, no Brasil, estão disponíveis duas vacinas: uma produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), utilizada pela rede pública, e outra produzida pela Sanofi, utilizada pelos serviços privados de imunização e, eventualmente, pela rede pública.

Quantas doses e com que intervalo deve ser aplicada a vacina?

O esquema completo da Qdenga é composto por duas doses, a serem administradas por via subcutânea com intervalo de 3 meses entre elas. Quem já teve dengue também deve tomar a dose. A recomendação, nesses casos, é especialmente indicada por conta da melhor resposta imune à vacina e também por ser uma população classificada como de maior risco para dengue grave.

Para quem apresentou a infecção recentemente, a orientação é aguardar 6 meses para receber o imunizante. Já quem for diagnosticado com a doença no intervalo entre as duas doses deve manter o esquema vacinal, desde que o prazo não seja inferior a 30 dias em relação ao início dos sintomas.

A vacina contra a dengue passou por testes?

A Qdenga demonstrou ser eficaz contra a dengue tipo 1 em 69,8% dos casos; contra a dengue tipo 2, em 95,1%; e contra a dengue tipo 3, em 48,9%. Já a eficácia contra a dengue tipo 4 não pôde ser avaliada devido ao número insuficiente de casos causados pelo sorotipo durante o estudo. Também houve eficácia contra hospitalizações por dengue, com proteção geral de 84,1% e estimativas semelhantes entre soropositivos (85,9%) e soronegativos (79,3%).

Quantas e quais são as vacinas contra a dengue aprovadas para uso no Brasil?

A Qdenga é a primeira vacina contra a dengue aprovada no Brasil para um público mais amplo, já que o imunizante aprovado anteriormente, Dengvaxia, do laboratório francês Sanofi-Pasteur, só pode ser utilizado por quem já teve dengue. A Dengvaxia não foi incorporada ao SUS e é contraindicada para indivíduos que nunca tiveram contato com o vírus da dengue em razão de maior risco de desenvolver quadros graves da doença.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Falhas do ministério da saúde agravaram epidemia da dengue; veja principais erros
Brasil

Falhas do ministério da saúde agravaram epidemia da dengue; veja principais erros

Há 7 horas

Vacinas da dengue perto da validade poderão ser aplicadas em adultos no SUS; entenda
Brasil

Vacinas da dengue perto da validade poderão ser aplicadas em adultos no SUS; entenda

Há 12 horas

Botulismo: o que é a doença contraída por brasileira internada nos EUA
Pop

Botulismo: o que é a doença contraída por brasileira internada nos EUA

Há um dia

Ministros da Educação e Saúde vão ao Senado para falar sobre ensino médio e dengue
Brasil

Ministros da Educação e Saúde vão ao Senado para falar sobre ensino médio e dengue

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais