Brasil

USP planeja investir R$ 2 bilhões, retomar obras e contratar 876 docentes

Segundo a reitoria, as novas despesas não comprometem o equilíbrio das contas para o futuro

USP: A principal fonte de receita da instituição é uma cota fixa (5,02%) da arrecadação estadual do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) (USP/Reprodução)

USP: A principal fonte de receita da instituição é uma cota fixa (5,02%) da arrecadação estadual do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) (USP/Reprodução)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 12 de julho de 2022 às 06h54.

Última atualização em 12 de julho de 2022 às 06h55.

Oito anos após mergulhar em grave crise financeira, a Universidade de São Paulo (USP) vê alívio nas contas e planeja investir R$ 2 bilhões nos próximos anos em projetos como a retomada de obras paralisadas do Parque dos Museus, a construção de um distrito tecnológico no câmpus do Butantã e a adoção de tecnologias sustentáveis. Além desse pacote, a instituição prevê com outra fonte de recursos, contratar 876 professores e 400 servidores técnico-administrativos até 2025.

Segundo a reitoria, as novas despesas não comprometem o equilíbrio das contas para o futuro. A principal fonte de receita da instituição é uma cota fixa (5,02%) da arrecadação estadual do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Após quase uma década, a USP teve superávit de R$ 1,78 bilhão em 2021, resultado impulsionado pela inflação.

No período de reestruturação, a instituição recorreu a programa de demissão voluntária de técnicos, paralisação de obras e congelamento de contratações e salários. Depois, veio a pandemia. "Após oito anos sem investimento, assim que tiver a oportunidade, tem de fazer", diz o reitor Carlos Gilberto Carlotti Junior. A intenção é entregar boa parte das obras até o fim de 2024. "Cicatrizes (da crise), vamos ter. Algumas áreas já tiveram diminuição de professores, alguns prédios nossos ficaram comprometidos", afirma, sem citar as faculdades mais afetadas.

LEIA TAMBÉM: Cursinhos gratuitos da USP estão com inscrições abertas; veja como participar

O cronograma ainda está sendo definido, mas prevê as contratações dos 400 técnicos até o final do ano que vem e a dos 876 docentes até 2025. Um dos motivos para a crise financeira da USP, iniciada em 2014, foi o inchaço acelerado do quadro de servidores sem haver recursos disponíveis.

A maior parte dos investimentos será para erguer novas estruturas ou reformar prédios em condições ruins, como os da moradia estudantil. É previsto, por exemplo, gastar R$ 100 milhões na modernização de instalações de pesquisa e outros R$ 300 milhões para a construção de novas.

A conclusão da Praça dos Museus, paralisada desde 2014, custará R$ 250 milhões. A obra foi iniciada em 2011 e deveria ter sido finalizada em 2013. Atualmente, existe apenas as estruturas dos prédios no câmpus. A praça vai abrigar o Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) e o Museu de Zoologia (MZ). Para acelerar a entrega, o projeto vai ser simplificado - a ideia é não construir mais um prédio de exposições que estava previsto anteriormente, afirma o reitor. Há ainda R$ 50 milhões disponíveis para a estrutura de assistência estudantil, como as moradias universitárias.

A USP também prevê erguer o Distrito Tecnológico do Jaguaré, em terreno de 40 mil metros quadrados, onde fica a Agência USP de Inovação (Auspin), na Avenida Escola Politécnica. O projeto, ainda em fase de elaboração, é inspirado em modelos já adotados em Barcelona e Nova York.

A ideia é atrair para o distrito grandes e pequenas empresas, como startups, restaurantes, espaços culturais e de convivência. "Um espaço novo, que faça com que as pessoas tenham o prazer de viver na região, e põe a inovação como carro-chefe dessas iniciativas", diz Carlotti. Para sair do papel, destaca, além de R$ 100 milhões desembolsados pela USP, será preciso firmar parcerias com a iniciativa privada e com o governo estadual.

A reitoria também prevê aporte de verba ao Hospital das Clínicas de São Paulo (R$ 150 milhões) e no de Ribeirão Preto (R$ 67 milhões), unidades de referência onde há formação de alunos e pesquisas. Os planos incluem um centro de estudos clínicos, um serviço de diagnóstico rápido e um ambulatório integrado de oncologia nessas unidades. "O acordo que fizemos com o Estado é de que a USP faz esse investimento na obra e a Secretaria da Saúde, o próprio governador, se compromete a fazer o custeio dessas iniciativas", conta Carlotti.

A Associação de Docentes da USP (Adusp) vê falta de debate amplo com a comunidade acadêmica nas novas iniciativas. "A proposta foi divulgada só cinco dias antes da reunião do Conselho Universitário", destaca Michele Schultz, presidente da Adusp. O Conselho é o órgão máximo da USP, que aprovou o plano no fim de junho. A entidade também critica o investimento em um distrito tecnológico em detrimento, segundo Michele, de outras demandas mais importantes. "Qualquer investimento em infraestrutura será injusto enquanto os salários estiverem defasados."

O Sindicato dos Trabalhadores (Sintusp) também reclama da falta de debate e diz não concordar com todos os investimentos propostos. "Há necessidade de reposição salarial das perdas que tivemos nos últimos dez anos. Embora tenhamos tido um reajuste de 20% neste ano, ele só repôs os últimos dois anos", diz Reinaldo Souza, diretor do sindicato.

Quanto ao reajuste salarial e de bolsas, a reitoria destaca que esse é assunto do orçamento permanente, não do planejamento de investimentos que destina verba "ocasional".

A USP também levou em conta o cenário com a aprovação da regra federal que fixa teto do ICMS sobre combustíveis, gás natural, energia elétrica, comunicações e transporte coletivo. Nele, a universidade perde mais de R$ 250 milhões ainda em 2022 e terá redução de 6,5% na arrecadação nos anos seguintes.

Para Carlotti, porém, há um colchão financeiro que previne sustos. O reitor reforça que o aumento de arrecadação em 2021 foi uma "bolha de recursos", mas a universidade mantém uma reserva financeira. A poupança, hoje de R$ 400 milhões, vai ganhar R$ 1 bilhão. Isso representa cerca de três folhas de pagamento da USP - fixada como medida de equilíbrio financeiro.

Plano prevê também mudar perfil energético

O plano da USP também reserva cerca de R$ 270 milhões para mudar o perfil energético da universidade. Primeiro, haverá direcionamento à segurança energética, com melhorias nas subestações - atualmente a universidade enfrenta episódios de falta de energia. Depois, haverá a compra de energia no mercado livre. E, por fim, a geração fotovoltaica.

A energia fóssil dos transportes também faz parte do plano, com a substituição por veículos movidos por energia elétrica e hidrogênio. "Já fizemos contrato com a Shell, temos um grupo que trabalha na Escola Politécnica que vai gerar hidrogênio a partir de etanol. Vamos ter uma usina de hidrogênio", adianta o reitor.

O projeto é do Centro de Pesquisa para Inovação em Gases de Efeito Estufa, sob coordenação do biólogo Marcos Buckeridge. Ele conta que a estação de abastecimento de hidrogênio deve ficar pronta em 2023. Paralelamente, três ônibus que já passam pela USP movidos pelo gás, estão sendo ajustados para testes nas imediações. O Brasil é atualmente o segundo maior produtor de etanol, um biocombustível obtido da fermentação de açúcares, no mundo todo. No entanto, é consenso que ele pode ser melhor aproveitado.

LEIA TAMBÉM:

USP terá banca de identificação racial para coibir fraudes em cotas

Descomplica e Instituto Porto lançam curso preparatório gratuito para o Enem

Texto dissertativo-argumentativo: professor dá dicas para a redação

Acompanhe tudo sobre:Estado de São PauloFaculdades e universidadesObras públicasUSP

Mais de Brasil

Câmara aprova projeto que cria cadastro nacional de condenados por violência contra a mulher

Comissão da Câmara aprova projeto de lei para incluir animais domésticos no Censo Demográfico

MPF busca solução para liberar 400 estrangeiros retidos no aeroporto de Guarulhos

Lula avaliará situação de Juscelino após viagem, diz Jaques Wagner

Mais na Exame