Acompanhe:

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), demitiu o major da reserva do Exército Angelo Martins Denicoli do cargo de assessor especial da Companhia de Processamento de Dados de São Paulo (Prodesp). O militar é um dos alvos da Operação Tempus Veritatis, deflagrada pela Polícia Federal (PF) na semana passada, que apura suposta tentativa de golpe de Estado articulada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e seus aliados.

A exoneração ocorreu na segunda-feira, 12, durante feriado de carnaval, conforme informou a empresa de tecnologia do governo estadual nesta quarta, 14.

De acordo com as investigações, o major integrava o "núcleo de desinformação e ataques ao sistema eleitoral", composto também pelo tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens da Presidência, pelo ex-ministro da Justiça Anderson Torres e por outros aliados do ex-presidente. Denicoli teria contribuído na produção, na divulgação e na amplificação de notícias falsas.

O major está proibido de sair do País e de manter contato com os demais investigados, de acordo com decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, que autorizou a operação.

Outros dois militares alvos da operação foram exonerados pelo Exército, o tenente-coronel Guilherme Marques de Almeida, comandante do 1º Batalhão de Operações Psicológicas, em Goiânia, e o tenente-coronel Hélio Ferreira Lima, comandante da 3º Companhia de Forças Especiais, em Manaus. Publicadas no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira, as demissões foram assinadas pelo comandante do Exército, general Tomás Paiva, na última quinta, 8.

PF identificou atuação de seis núcleos para articulação de golpe

A decisão de Moraes mostrou que os alvos da operação estavam planejando a execução de um golpe de Estado em uma organização formada por, pelo menos, seis diferentes tipos de atuação. As tarefas das frentes tinham três objetivos: desacreditar o processo eleitoral, planejar e executar o golpe de Estado e abolir o Estado Democrático de Direito, para manter a permanência de seu grupo no poder.

A PF colocou Jair Bolsonaro como participante direto na confecção de uma "minuta golpista" que circulou entre seus aliados após o segundo turno das eleições de 2022. Conversas encontradas no celular do tenente-coronel Mauro Cid sugerem que o ex-presidente ajudou a redigir e editar o documento.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Novo metrô na Faria Lima: concessão da Linha 1-Azul poderá ajudar a pagar obra
Brasil

Novo metrô na Faria Lima: concessão da Linha 1-Azul poderá ajudar a pagar obra

Há um dia

Cid presta novo depoimento à PF sobre áudios com críticas a Moraes
Brasil

Cid presta novo depoimento à PF sobre áudios com críticas a Moraes

Há 2 dias

Ida de Bolsonaro à Embaixada da Hungria não configurou busca por asilo político, avalia PGR
Brasil

Ida de Bolsonaro à Embaixada da Hungria não configurou busca por asilo político, avalia PGR

Há 3 dias

Tarcísio planeja leilão da linha 1-Azul do Metrô em 2025
Brasil

Tarcísio planeja leilão da linha 1-Azul do Metrô em 2025

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais