Brasil

Tarcísio adota tom de líder religioso em ato com Michelle Bolsonaro e Damares

O ex-ministro da Infraestrutura desfilou pelo altar fazendo um sermão sobre o "mordomo infiel", uma parábola do livro de Lucas

Cristãos também destacaram a proximidade com o Executivo que conquistaram durante o governo Bolsonaro (Eduardo Frazão/Exame)

Cristãos também destacaram a proximidade com o Executivo que conquistaram durante o governo Bolsonaro (Eduardo Frazão/Exame)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 19 de outubro de 2022 às 16h30.

O candidato do Republicanos ao governo de São Paulo, Tarcísio de Freitas, que participou, ao lado da primeira-dama Michelle Bolsonaro, de um evento que reuniu lideranças evangélicas, católicas, espíritas e budistas a favor da reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL), abandonou o tom de político e técnico e, nesta quarta-feira, 19, fez as vezes de líder religioso.

O ex-ministro da Infraestrutura desfilou pelo altar fazendo um sermão sobre o "mordomo infiel", uma parábola do livro de Lucas que, segundo ele, fala de um administrador corrupto, fazendo uma correlação entre essa história e as eleições deste ano, acusando os petistas de serem o dito mordomo.

O candidato, entre os versículos da bíblia, que citava de cabeça destacava as realizações do governo Bolsonaro, e fazia um discurso com frases que, aos acostumados com eventos religiosos, pareciam de um líder da igreja. "A gente está passando tribulação, divisão, mas nós vamos vencer porque a bênção está declarada", foi uma das muitas frases de cunho cristão ditas por Tarcísio.

O mote da solenidade foi a reeleição do presidente Bolsonaro, pastores e pastoras que falaram no altar adotaram o discurso governista contra os adversários. Frases como "nossa bandeira jamais será vermelha", "nossa luta é pela liberdade" foram repetidas entre as orações e louvores.

Fique por dentro de tudo sobre as Eleições 2022 e os resultados das pesquisas eleitorais. Clique aqui e receba gratuitamente a newsletter EXAME Desperta.

Cristãos também destacaram a proximidade com o Executivo que conquistaram durante o governo Bolsonaro. A realização de cultos no Palácio da Alvorada, o diálogo do presidente com políticos e representantes da igreja foram pontuados como ações inéditas que agradaram o segmento.

O evento contou com a participação, entre outros, da vice-governadora eleita do Distrito Federal Celina Leão (Progressistas), das deputadas federais Bia Kicis (PL) e Carla Zambelli (PL) e do deputado Marcos Pereira (Republicanos). Os senadores eleitos Marcos Pontes (PL) e Damares Alves (Republicanos), e o senador Eduardo Girão (Podemos) também compareceram à solenidade, assim como o Padre Kelmon (PTB), que foi recebido com aplausos e fotos.

Presidente nacional do Republicanos, partido de Tarcísio, Marcos Pereira enfatizou a confiança na reeleição de Bolsonaro e repetiu que a luta é do "comunismo contra o liberalismo". Girão falou em um "momento de decisão", afirmando que a bancada do PT no legislativo trabalha a favor de pautas como a liberação das drogas e do aborto, tema repetido durante todo o evento entre as várias lideranças que estiveram no púlpito.

Lula divulga carta aos evangélicos

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participou na manhã desta quarta-feira, 19, da leitura de sua carta aos evangélicos, em evento com lideranças religiosas, e reafirmou o compromisso, se eleito, com a liberdade de culto no País.

Bolsonaro minimizou a carta e afirmou que os religiosos que apoiam o petista são apenas "dissidências", além de dizer que a maioria apoia a sua reeleição. "Quem assinou? Qual o perfil de quem assinou? Tem igrejas? Qual a densidade deles? Até no meio militar tem dissidências, a gente sabe que tem."

A última pesquisa Datafolha mostrou que a opção política de evangélicos e católicos foi acentuada no segundo turno. Bolsonaro é o preferido de 65% dos evangélicos, enquanto Lula tem a aprovação de 57% dos católicos. O petista tem buscado melhorar a avaliação que tem entre os evangélicos.

LEIA TAMBÉM:

Eleições em SP: PSDB fará "mobilização total" para Tarcísio, diz partido

Tarcísio diz acreditar que tiros foram questão territorial e não política

Acompanhe tudo sobre:Damares AlvesEleiçõesEleições 2022Jair BolsonaroPolíticaReligiãoTarcísio Gomes de Freitas

Mais de Brasil

Manifestantes voltam à Avenida Paulista para ato contra o PL do Aborto

Greve nas universidades federais: o que reivindicam os professores e quais são as ofertas do governo

Enel confirma a Lula investimento de R$ 20 bi para acabar com apagões

Enchentes paralisaram 63% das indústrias gaúchas, revela pesquisa

Mais na Exame