Acompanhe:

O Supremo Tribunal Federal (STF) julga, a partir desta segunda-feira, um pedido do Executivo para regularizar o pagamento de precatórios, que são as dívidas da União reconhecidas em sentenças judiciais para as quais não cabe recurso . A ideia, proposta pelo Ministério da Fazenda, é mudar a metodologia para o pagamento dessas débitos, para não comprometer o arcabouço fiscal.

Os ministros vão analisar se é possível quitar, ainda neste ano, R$ 95 bilhões do estoque de precatórios represado nos últimos anos, por meio de crédito extraordinário. Se o STF aprovar o pleito do governo, a expectativa é que pessoas físicas e empresas, que estão há anos esperando, recebam logo esse dinheiro. Além da questão fiscal e da justiça social, esses recursos vão irrigar a economia de um país que apresenta níveis elevados de endividamento.

— A indenização de um policial militar que foi morto em serviço pode ter se transformado em precatório. Há a questão macroeconômica, mas tem o lado social. Conheço gente que tem precatório pendurado há 25 anos e isso não se justifica em nenhuma hipótese. Mas temos que reconhecer que R$ 95 bilhões são uma montanha de dinheiro que podem entrar na economia, se forem pulverizados — afirma William Eid, coordenador do Centro de Estudos em Finanças da Escola de Administração de Empresas de São Paulo.

O STF analisará o caso em meio a um clima de tensão entre o tribunal e o Executivo. O motivo é que, na última quarta-feira, o líder do governo, Jaques Wagner (PT-BA), deu aval à aprovação, pelo Senado, de uma proposta de emenda à constituição (PEC) que diminui os poderes dos ministros da Corte.

Como será o julgamento?

A relatoria do caso está com o ministro Luiz Fux. O julgamento será virtual, com os votos apresentados ao longo do dia no sistema eletrônico do tribunal, sem debates. Há a possibilidade de algum ministro pedir vista (mais tempo para análise) ou destaque, quando o caso passa a ser analisado no plenário físico.

Nesta última hipótese, o presidente do STF, Luís Roberto Barroso, teria que pautar a ação, o que possivelmente não aconteceria neste ano e atrapalhar os planos do governo.

Previsto para entrar em vigor a partir de 2024, com previsão de déficit zero no ano que vem, o novo arcabouço fiscal estabelece que os precatórios não serão computados no cálculo do resultado primário. A questão é que, no governo anterior, para cumprir as metas das contas públicas no país, foi fixado um teto anual para o pagamento dos precatórios, para realizar gastos sociais.

O que o governo pediu?

A Advocacia-Geral da União (AGU) pediu ao STF para quitar dívidas do precatório por meio de crédito extraordinário, em setembro deste ano. Para o governo Lula, esta é uma forma de derrubar a regra criada na gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro. Entre as despesas assumidas por Bolsonaro às vésperas da eleição de 2022 está o aumento para R$ 400 do Auxílio Brasil.

Em 2021, o governo propôs uma alteração na forma de pagamento dos precatórios como solução orçamentária. Na época, o então ministro da Economia, Paulo Guedes, chamou a dívida de R$ 89 bilhões em precatórios de “meteoro” que ia colidir contra as contas públicas.

Na PEC dos Precatórios, como era chamada, o Congresso alterou o teto de gastos para viabizar o aumento do Auxílio Brasil. Ao ser aprovada pelo Congresso, em novembro de 2021, a PEC elaborada pelo então ministro da Economia permitiu uma margem de R$ 106 bilhões no Orçamento de 2022. Com isso, a medida foi mais uma exceção à lei do teto de gastos, que limitava o aumento das despesas à inflação do ano anterior.

Com a mudança constitucional, cresceu o risco de um impacto negativo no orçamento do governo nos próximos anos - o que torna mais difícil o caminho para a viabilização da nova âncora fiscal apresentada pela Fazenda. Como a PEC prevê um teto anual de pagamento somente até 2026, isso deixaria uma bola de neve a ser paga em 2027. Por isso, a perspectiva é de uma bomba sobre as contas do governo, que deverá pagar tudo o que ficou retido desde 2022.

A economista Carla Beni, professora de MBA da Fundação Getúlio Vargas, espera que o governo pague os precatórios rapidamente, como uma reparação justa aos credores. Segundo ela, a postergação do pagamento no governo Bolsonaro piorou a situação.

— Esse dinheiro precisa ser pago imediatamente — diz a economista

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
STF considera mudança nas 'sobras eleitorais' inconstitucional, mas mantém deputados eleitos em 2022
Brasil

STF considera mudança nas 'sobras eleitorais' inconstitucional, mas mantém deputados eleitos em 2022

Há um dia

Bancar privilégio a filhos de diplomatas no exterior inverte objetivos da República, diz Cármen
Brasil

Bancar privilégio a filhos de diplomatas no exterior inverte objetivos da República, diz Cármen

Há um dia

STF determina que demissão de concursados em estatais precisa de 'fundamento razoável'
Brasil

STF determina que demissão de concursados em estatais precisa de 'fundamento razoável'

Há um dia

STF forma maioria para determinar repercussão geral em julgamento de vínculo entre Uber e motoristas
Brasil

STF forma maioria para determinar repercussão geral em julgamento de vínculo entre Uber e motoristas

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais