Brasil

STF anula todos os atos da Lava Jato contra Marcelo Odebrecht

Decisão de Dias Toffoli mantém acordo de delação, mas invalida provas e procedimentos da 13ª Vara Federal de Curitiba

Lava Jato: A decisão de Toffoli também garante acesso integral ao material apreendido na Operação Spoofing (Sergio Lima/Getty Images)

Lava Jato: A decisão de Toffoli também garante acesso integral ao material apreendido na Operação Spoofing (Sergio Lima/Getty Images)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 21 de maio de 2024 às 19h40.

Última atualização em 21 de maio de 2024 às 19h49.

Tudo sobreOperação Lava Jato
Saiba mais

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, anulou todos os atos da Operação Lava Jato contra o executivo Marcelo Odebrecht. A decisão, proferida nesta terça-feira, 21, afirma que houve “conluio processual” entre o ex-juiz Sérgio Moro e a força-tarefa de Curitiba e conclui que os direitos do empresário foram violados nas investigações e ações penais.

Toffoli suspende aumento nas parcelas da dívida do Rio por descumprimento do RRF

"Em face do exposto, defiro o pedido constante desta petição e declaro a nulidade absoluta de todos os atos praticados em desfavor do requerente no âmbito dos procedimentos vinculados à Operação Lava Jato, pelos integrantes da referida operação e pelo ex-juiz Sérgio Moro no desempenho de suas atividades perante o Juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba, ainda que na fase pré-processual, determinando, em consequência, o trancamento das persecuções penais instauradas em desfavor do requerente no que atine à mencionada operação", afirmou o magistrado.

O ministro determinou ainda o trancamento de todos os procedimentos penais instauradas contra o empresário, mas ressaltou que a anulação não engloba o acordo de delação premiada firmado por ele durante a operação.

Anulação dos acordos de colaboração

Toffoli destacou que a declaração de nulidade dos atos não implica a anulação do acordo de colaboração firmado por Marcelo Odebrecht. O executivo, condenado a 19 anos e 4 meses de prisão em 2016, teve a pena reduzida para dez anos após acordo de delação, posteriormente ajustada pelo STF para sete anos, período já cumprido.

Marcelo Odebrecht acionou o STF para estender decisões anteriores de Toffoli que invalidaram provas oriundas dos acordos de leniência da Odebrecht. O acordo de leniência foi assinado em paralelo aos de delação premiada de 77 executivos da construtora, com negociações envolvendo autoridades suíças e americanas.

A decisão de Toffoli também garante acesso integral ao material apreendido na Operação Spoofing, que investigou a invasão hacker a aparelhos de agentes públicos, a todos os investigados e réus processados com base em elementos da Lava Jato.

Além disso, destacou que o Conselho Nacional de Justiça, em recente relatório de correição realizada pelo Ministro Luís Felipe Salomão, na qualidade de Corregedor-Nacional de Justiça, revelou a gestão absolutamente caótica dos recursos oriundos da Operação Lava Jato na 13ª Vara Federal de Curitiba.

(Com Agência o Globo)

Acompanhe tudo sobre:Marcelo OdebrechtOperação Lava JatoSergio Moro

Mais de Brasil

Recife: famílias são indenizadas em R$ 120 mil por prédios-caixão

Governo Tarcísio assina decreto que autoriza licitação de loteria estadual

Governo do Rio decreta fim da epidemia de dengue

STF mantém decisão que condenou Deltan a indenizar Lula em R$ 75 mil por power point

Mais na Exame