Acompanhe:

Senado aprova decreto de calamidade pública no Brasil

A medida permite que o governo aumente gastos públicos em meio à pandemia de coronavírus sem precisar cumprir a meta fiscal do Orçamento

Modo escuro

Continua após a publicidade
A woman wears a protective face mask as a precautionary measure against coronavirus disease (COVID-19), in Sao Paulo, Brazil, March 16, 2020. (Amanda Perobelli/Reuters)

A woman wears a protective face mask as a precautionary measure against coronavirus disease (COVID-19), in Sao Paulo, Brazil, March 16, 2020. (Amanda Perobelli/Reuters)

D
Da redação

Publicado em 20 de março de 2020 às, 13h03.

Última atualização em 20 de março de 2020 às, 14h07.

O Senado aprovou nesta sexta-feira, 20, o decreto que reconhece que o país está em calamidade pública em função da pandemia de coronavírus. Em todo território nacional, os casos da doença já passam de 600. Há, até agora, sete mortos.

Com aprovação unânime de 75 senadores, a medida, que já havia passado pela Câmara dos Deputados, permite que o governo aumente gastos públicos para lidar com o surto, sem precisar cumprir a meta fiscal prevista no Orçamento. 

A sessão foi conduzida pelo senador Antonio Anastasia (PSD-MG), que colheu o voto dos senadores que se manifestaram, por meio de chamada de vídeo ou telefônica certificada, favoravelmente ao relatório apresentado pelo senador Weverton (PDT-MA).

A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) prevê que, decretado o estado de calamidade, ficam suspensos os prazos para ajuste das despesas de pessoal e dos limites do endividamento para cumprimento das metas fiscais e para adoção dos limites de empenho (contingenciamento) das despesas.

"O decreto não exime que se busque coibir abuso ou uso indevido de procedimentos. Nesse sentido, preços praticados devem, na medida do possível, obedecer ao razoável de mercado, sob pena de se constituir ato de improbidade administrativa", diz o advogado Antonio Coutinho, sócio da área de contratos públicos do escritório Piquet, Magaldi e Guedes Advogados.

Para evitar erros, o texto aprovado cria uma comissão mista, composta por seis deputados e seis senadores, com igual número de suplentes, para acompanhar os gastos e as medidas tomadas pelo governo federal no enfrentamento do problema.

A comissão poderá trabalhar por meio virtual, mas terá reuniões mensais com técnicos do Ministério da Economia e uma audiência bimestral com o ministro da pasta, Paulo Guedes, para avaliar a situação fiscal e a execução orçamentária e financeira das medidas emergenciais relacionadas à covid-19.

(Com informações da Agência Senado)

As últimas notícias da pandemia do novo coronavírus:

Últimas Notícias

Ver mais
Sessão temática para debater anteprojeto do novo Código Civil tem data marcada no Senado
Brasil

Sessão temática para debater anteprojeto do novo Código Civil tem data marcada no Senado

Há 6 horas

Pacheco pode pautar marco do mercado de carbono neste mês, diz Padilha
ESG

Pacheco pode pautar marco do mercado de carbono neste mês, diz Padilha

Há um dia

Pacheco pede inclusão de infraestrutura em PL de dívida dos estados
Brasil

Pacheco pede inclusão de infraestrutura em PL de dívida dos estados

Há um dia

CCJ do Senado aprova, em votação simbólica, texto-base de projeto de lei dos seguros
Brasil

CCJ do Senado aprova, em votação simbólica, texto-base de projeto de lei dos seguros

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais