Brasil

Revisão do Plano Diretor da cidade de São Paulo terá foco no pós-pandemia

A lei, que determina as regras e os incentivos de desenvolvimento urbano, passará por revisão ao longo deste ano para ser enviada pela gestão Bruno Covas para a Câmara de Vereadores até dezembro

 (Alan Santos/PR/Divulgação)

(Alan Santos/PR/Divulgação)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 3 de maio de 2021 às 10h08.

A Prefeitura de São Paulo está com uma equipe interna e outra de professores da USP focadas em diagnosticar o que precisa ser calibrado no Plano Diretor para deixar a cidade encaminhada para lidar com o pós-pandemia e outras futuras epidemias. A lei, que determina as regras e os incentivos de desenvolvimento urbano, passará por revisão ao longo deste ano para ser enviada pela gestão Bruno Covas (PSDB) para a Câmara de Vereadores até dezembro.

Ao jornal O Estado de S. Paulo, o secretário de Urbanismo e Licenciamento, Cesar Azevedo, disse que a revisão será pontual, para aperfeiçoar dispositivos que travaram ou não saíram do papel. "Queremos pegar pontos específicos que merecem ser melhorados para torná-los mais efetivos."

Isso inclui problemas e situações que se tornaram mais evidentes com a pandemia, como o déficit habitacional, a desocupação de parte dos imóveis comerciais (especialmente de áreas centrais), a expansão lenta dos corredores de ônibus, o preparo sanitário necessário para as possíveis próximas epidemias e a sustentabilidade.

O processo de revisão está dividido em cinco eixos: instrumentos de política urbana, meio ambiente, mobilidade urbana, habitação e desenvolvimento econômico e social.

Monitoramento de técnicos do Município publicado em dezembro aponta que é preciso haver "maior enfoque de aspectos de mudanças climáticas, redução de emissão de carbono e protagonismo do desenvolvimento local", por exemplo.

"Precisamos preparar a cidade para eventuais novas pandemias. Essa discussão não é só em São Paulo, é no mundo inteiro", diz Azevedo. "A pandemia torna urgente a reflexão sobre os aspectos de planejamento das cidades, além de ações imediatas. Ela impõe desde já aos gestores públicos a responsabilidade de repensar a dimensão urbana da crise. As questões sanitárias ganharam importância como nunca antes vimos nos debates sobre o futuro da cidade", afirma.

Em cidades como Paris, Barcelona e Buenos Aires, o planejamento urbano é um dos protagonistas das discussões sobre sustentabilidade. Envolve, por exemplo, a promoção da mobilidade ativa (a pé e por bicicleta) e da ideia da "cidade de 15 minutos", na qual tudo precisa estar a 15 minutos de onde se reside.

Essa ideia de cidade compacta abarca a aposta no adensamento nas áreas com melhor oferta de transporte coletivo, a fim de reduzir os longos deslocamentos pela cidade, diminuir as emissões de poluentes e melhorar a qualidade de vida da população.

Em grandes capitais brasileiras, como São Paulo, especialistas em planejamento urbano e meio ambiente também destacam que a sustentabilidade depende da redução de desigualdades e da garantia de serviços e emprego perto da moradia.

Tudo isso consta no Plano Diretor paulistano. Mas a gestão municipal analisa que, na prática, a lei não conseguiu aumentar a população de certas áreas melhor estruturadas, inclusive em partes do centro, assim como ampliar a oferta de serviços e equipamentos para criar novas centralidades nos bairros.

Embora aborde a necessidade de ajustes no plano, o secretário diz que as soluções e mudanças ainda estão e estarão em discussão ao longo dos próximos meses a partir de um tripé formado por indicadores levantados pela gestão municipal, diagnóstico de especialistas da USP e contribuição da sociedade civil organizada e da população em geral. "Não temos a solução para tudo. Por isso que estamos convidando todos a participarem dessa discussão."

Críticas

A revisão do plano durante a pandemia foi criticada, gerando uma carta de mais de uma centena de associações pela defesa de um processo "democrático".

Neste ano, a participação popular será majoritariamente digital, com a possibilidade de eventos presenciais no segundo semestre, a depender das condições sanitárias, de acordo com a gestão Covas.

Eixos estruturados tiveram mais investimento

Um exemplo do impacto do Plano Diretor é que, na capital paulista, mais de 480 novos empreendimentos imobiliários foram entregues nos chamados Eixos de Estruturação da Transformação Urbana entre 2014 e 2019. São áreas com grande oferta de transporte classificadas pelo último Plano Diretor, nas quais há incentivos para a ampliação da oferta de residências.

Segundo monitoramento da Prefeitura, esses locais tiveram um crescimento de 411% em área construída de 2017 a 2019 em relação ao triênio anterior, subindo de 293 mil metros quadrados entregues para 1,2 milhão.

Os exemplos são visíveis com edifícios entregues ou em construção em locais como a Avenida Rebouças e o entorno da estação Vila Madalena, ambos na região centro-oeste, o Tatuapé e a Penha, na zona leste, e a região da Subprefeitura de Pirituba, na zona norte, dentre outros.

Outro resultado do Plano Diretor foi a redução de novos apartamentos com garagem. Enquanto a lei anterior exigia um número mínimo de vagas, a atual desincentiva a criação desse tipo de espaço e até cobra o pagamento de valores extras em determinados locais, como nos Eixos de Estruturação, onde há oferta variada de transporte coletivo.

Entre 2014 e 2018, por exemplo, 14 mil apartamentos foram lançados sem garagem na cidade, número que foi de 194 unidades entre 2009 e 2013.

A queda se repetiu entre as unidades com uma, duas, três e mais vagas, embora o setor tenha registrado um crescimento nos lançamentos imobiliários na comparação dos dois períodos, segundo dados da Embraesp compilados pela Prefeitura.

O Plano Diretor também delimita mudanças e intervenções em pontos específicos da cidade.

Em São Paulo determina, por exemplo, a desativação do tráfego de veículos no Elevado Presidente João Goulart, o Minhocão, e a subsequente demolição ou transformação em parque.

  • Assine a EXAME e acesse as notícias mais importantes em tempo real.
Acompanhe tudo sobre:Bruno CovasCidadescidades-brasileirasPandemiaPlanejamentoPrefeitossao-pauloUSP

Mais de Brasil

Tarcísio estima economia de R$ 1,7 bi por ano com auditoria de aposentadorias e prova de vida

Às vésperas de posse na Petrobras, Magda Chambriard já dá expediente na companhia

PF pede inquérito contra Chiquinho Brazão por suspeita de desvio de emendas parlamentares

Claudio Castro é absolvido após TRE-RJ formar maioria contra cassação

Mais na Exame