Acompanhe:

Racismo e mercado de trabalho: os desafios da população negra no Brasil

Urgência das pautas tem como pano de fundo as estatísticas de desemprego e homicídio que seguem maiores entre os negros e pardos

Modo escuro

Continua após a publicidade
Desemprego: no ano passado, a população preta e parda do país ficaram entre a maioria dos trabalhadores desocupados (64,2%) ou subutilizados (66,1%) (Brazil Photos / Colaborador/Getty Images)

Desemprego: no ano passado, a população preta e parda do país ficaram entre a maioria dos trabalhadores desocupados (64,2%) ou subutilizados (66,1%) (Brazil Photos / Colaborador/Getty Images)

D
Da redação, com agências

Publicado em 20 de novembro de 2019 às, 10h31.

Brasília — A inclusão no mercado de trabalho é o tema mais urgente para a população negra, segundo a pesquisa Consciência entre Urgências: Pautas e Potências da População Negra no Brasil, divulgada nesta semana pelo Google Brasil.

Na opinião de 46%, a colocação profissional é um dos assuntos prioritários para a vida das pessoas negras. O estudo foi realizado pela consultoria Mindset e pelo Instituto Datafolha e ouviu 1,2 mil pessoas pretas e pardas ao longo do último mês de outubro.

A urgência da pauta tem como pano de fundo a estatística: no ano passado, a população preta e parda do país ficaram entre a maioria dos trabalhadores desocupados (64,2%) ou subutilizados (66,1%), segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

A informalidade também atinge mais essa parcela dos brasileiros, que hoje representam 55,8% da população. Enquanto 34,6% de pessoas brancas se encontram em condições informais de trabalho, a informalidade atinge 47,3% de pretos e pardos.

Racismo estrutural

O racismo estrutural — tema que apareceu como mais discutido na pesquisa — também é apontado como um dos mais urgentes para a população negra (44%).

Segundo pesquisa recente do IBGE, essa parcela da população tem 2,7 mais chances de ser vítima de assassinato do que os brancos.

Segundo a analista de indicadores sociais do IBGE Luanda Botelho, enquanto a violência contra pessoas brancas se mantém estável, a taxa de homicídio de pretos e pardos aumentou no ano passado em todas as faixas etárias.

“Na série de 2012 a 2017, que foi o período que a gente analisou neste estudo, houve aumento da taxa de homicídios por 100 mil habitantes da população preta e parda, passando de 37,2 para 43,4. Enquanto para a população branca esse indicador se manteve constante no tempo, em torno de 16” diz.

Em relação ao racismo que permeia as instituições públicas e privadas no Brasil, foram levantados temas como a representatividade na política e o apagamento da história dos negros nos currículos escolares e universitários.

Apesar dos desafios de representatividade e enfrentamento do racismo, no ano passado, a proporção de pessoas pretas ou pardas cursando o ensino superior em instituições públicas brasileiras chegou a 50,3%. Essa foi a primeira vez que essa parcela da população ultrapassou a metade das matrículas em universidades e faculdades públicas.

Segundo o estudo da Google, sete em cada dez negros não se sentem representados pelos governantes. Votar em candidatos negros é uma pauta importante para 61% da população negra, tendo mais apelo entre os menos favorecidos economicamente (73% entre as classes D e E) do que entre que estão melhor colocados socialmente — 47% nas classes A e B.

Para 69%, as marcas comerciais tratam de forma superficial ou oportunista temas relacionados à negritude.

Feminismo e genocídio

O feminismo negro foi apontado como tema urgente por 23% da população negra, seguido pelo genocídio dos negros (24%).

O alto número de mortes violentas entre negros é uma preocupação maior para os maios jovens, chegando a 28% na faixa entre 16 e 34 anos de idade, mas caindo para 18% entre os com 60 anos ou mais.

O sentimento de urgência em relação ao genocídio é maior entre aqueles com ensino superior (30%) e menor para as pessoas que estudaram apenas até o ensino fundamental (14%).

Relação inversa ocorre com o feminismo negro, apontado como urgente para 18% das pessoas que têm ensino superior e para 30% das que só têm ensino fundamental.

Em quinto lugar ficaram as políticas afirmativas, como cotas raciais, vistas como prioritárias para 19%. O sentimento de urgência para esse tipo de política é maior para os homens (23%) do que entre as mulheres (17%).

Ativistas

A pesquisa mostrou que metade da população negra se considera ativista pelos direitos dessa parcela da sociedade. Sendo que esse sentimento é maior entre os mais pobres, atingindo o patamar de 63% nas classes D e E, do que entre os com melhor situação financeira, ficando em 31% nas classes A e B.

Para 91% da população negra, o Dia da Consciência Negra celebrado nesta quarta-feira (20) é uma data importante para manter viva as histórias de heroísmo de negras e negros.

Últimas Notícias

Ver mais
STF proíbe abordagem policial com base em raça, sexo, orientação sexual ou aparência física
Brasil

STF proíbe abordagem policial com base em raça, sexo, orientação sexual ou aparência física

Há 2 dias

Na Brazil Conference, denúncia de racismo acende debate sobre representatividade
Exame IN

Na Brazil Conference, denúncia de racismo acende debate sobre representatividade

Há 6 dias

Payroll: desemprego nos EUA cai para 3,8% em março
Economia

Payroll: desemprego nos EUA cai para 3,8% em março

Há uma semana

Brasil e EUA voltam a articular plano contra discriminação racial; veja como funciona o acordo
Brasil

Brasil e EUA voltam a articular plano contra discriminação racial; veja como funciona o acordo

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais