Brasil

Quem é o general Marcos Antônio Amaro dos Santos, escolhido de Lula para o GSI

O general foi indicado por Dilma após uma reforma ministerial, em 2015

Marcos Antônio Amaro dos Santos, de 65 anos, ocupou a Casa Militar durante o segundo mandato da ex-presidente Dilma Rousseff (Marcos Corrêa/PR/Flickr)

Marcos Antônio Amaro dos Santos, de 65 anos, ocupou a Casa Militar durante o segundo mandato da ex-presidente Dilma Rousseff (Marcos Corrêa/PR/Flickr)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 28 de abril de 2023 às 12h40.

Nesta quinta-feira, 27, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva escolheu o novo ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI). Apesar das ressalvas de integrantes do governo federal, que preferiam um civil para o posto, um militar de alta patente estará à frente do GSI. Marcos Antônio Amaro dos Santos, de 65 anos, ocupou a Casa Militar durante o segundo mandato da ex-presidente Dilma Rousseff e chegou a ser descrito nos bastidores como "sombra" da mandatária.

O general foi indicado por Dilma após uma reforma ministerial, em 2015. Na época, o Gabinete de Segurança Institucional e deixou de ser classificado como ministério e foi integrado à Secretaria de Governo, como Casa Militar. Como mostrou o Estadão o general costumava acompanhar a ex-presidente nos tradicionais passeios de bicicleta em torno do Alvorada.

Em abril de 2020, Santos foi nomeado Chefe do Estado-Maior do Exército Brasileiro, durante a gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro. Também no governo passado foi comandante militar do Sudeste. O general nasceu na cidade de Motuca, no interior de São Paulo. É casado com Rosa Tiglia Amaro dos Santos e tem dois filhos, Marcos e Rafael, ambos oficiais do Exército Brasileiro.

Carreira

Santos está há 49 anos no serviço militar e já comandou, entre outros, a 3.ª Divisão de Exército, a Escola Preparatória de Cadetes do Exército, entre 2004 e 2005, e a Secretaria de Economia e Finanças do Exército Brasileiro, em 2018. Cursou MBA em Excelência Gerencial com ênfase em Gestão Pública, pela FAAP, e MBA Executivo em Administração, pela FGV.

Teve passagem pelos Estados Unidos, entre 1987 e 1988, onde realizou cursos de artilharia e artilharia de campanha. Em 2006, realizou o Curso de Política, Estratégia e Alta Administração do Exército, na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército. Entre 2007 e 2010, também atuou como Chefe da Divisão de Inteligência do Centro de Inteligência do Exército.

O general foi instrutor da Academia Militar das Agulhas Negras e da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais. Exerceu o cargo de adjunto da Casa Militar da Presidência da República e do Gabinete de Segurança Institucional do Planalto. Além de Adido Militar na Embaixada do Brasil no Suriname.

Hoje, o responsável pelo GSI é Ricardo Cappelli, indicado como interino após a demissão do general Gonçalves Dias. Responsável pela segurança de Lula durante a campanha eleitoral e há vários anos, G. Dias foi flagrado em imagens do circuito de segurança do Palácio do Planalto durante a invasão de 8 de janeiro. As cenas mostram o general sereno, sem confrontar os invasores.

Acompanhe tudo sobre:Segurança públicaCPMI do 8 de janeiroLuiz Inácio Lula da Silva

Mais de Brasil

Haddad diz que nível do IVA será menor que os impostos atuais

Governo Tarcísio abre edital para comprar 12 mil câmeras corporais para a PM

Moro diz que não vai se candidatar à presidência em 2026

Nível Guaíba fica abaixo dos 4 metros pela primeira vez em 20 dias

Mais na Exame