Brasil

Quando vai ter greve do Metrô de SP? Sindicato promete paralisação na próxima semana

Os servidores, em campanha de negociação, vão se reunir em assembleia na próxima terça-feira, 21, para organizar a paralisação

Trens do Metrô no Pátio de Itaquera, em São Paulo (Metrô de São Paulo/Divulgação)

Trens do Metrô no Pátio de Itaquera, em São Paulo (Metrô de São Paulo/Divulgação)

André Martins
André Martins

Repórter de Brasil e Economia

Publicado em 16 de maio de 2024 às 10h18.

Última atualização em 16 de maio de 2024 às 13h07.

O sindicato dos metroviários promete entrar em greve na próxima quarta-feira, 22, caso o Metrô não apresente uma nova proposta salarial à categoria. Os servidores, em campanha de negociação, vão se reunir em assembleia na próxima terça-feira, 21, para organizar a paralisação.

A proposta do Metrô de reajuste de 2,77% (inflação medida pelo IPC-Fipe) foi recusada pelos trabalhadores. Os metroviários pedem um aumento salarial acima da inflação, reajuste dos vale refeição e alimentação, recontratação de funcionários demitidos na última greve e a realização de concursos públicos para aumentos do quadro da empresa.

A categoria reclama que tem buscado diálogo com o Metrô e com o governo Tarcísio de Freitas. A promessa que uma proposta seria apresentada na última segunda-feira, 14, não foi cumprida. Os representantes da empresa disseram ao sindicato que só poderiam apresentar um novo texto no dia 5 de junho.

"Metroviárias e metroviários realizam um serviço de excelência, reconhecido pela população pelo sétimo ano consecutivo como o melhor serviço público de São Paulo. Mesmo com o quadro de funcionários reduzido. Por isso, merecem respeito. São exatamente 2 meses desde quando a empresa teve contato com as reivindicações e, após 5 rodadas, a empresa ainda não apresentou nenhuma proposta", diz a categoria em nota.

Caso a greve se concretize, apenas as linhas 1-azul, 2-verde, 3-vermelha e 15-prata serão afetadas. As linhas 4-amarela e 5-lilas são operadas pelo setor privado.

A última paralisação da categoria ocorreu em novembro do ano passado e causou congestionamentos na cidade de São Paulo e suspensão das aulas. As principais reivindicações eram pela paralisação do processo privatização da Sabesp e da linha 7-rubi e contra o corte de 5% no orçamento da educação. A greve unificada reuniu trabalhadores do Metrô, CPTM e Sabesp.

Um ato na praça da Sé, centro de São Paulo, deve ser realizado na segunda-feira. A EXAME pediu um posicionamento do Metrô sobre o indicativo de greve e aguarda retorno.

Acompanhe tudo sobre:Metrô de São PauloGreves

Mais de Brasil

Previsão do tempo: RS volta a enfrentar chuvas e geadas; temperaturas no Sudeste serão mais amenas

Governo do RS convoca policiais e bombeiros aposentados 'para reforçar estruturas de segurança'

Prefeito diz que "não há imóveis disponíveis" em Porto Alegre para tantos desabrigados

Julgamento no TSE que pode cassar mandato de Moro acontece nesta quinta; assista ao vivo

Mais na Exame