Brasil

Professores decidem manter greve nas universidades federais após nova oferta do governo Lula

Docentes exigem aumento de 3,69% em agosto deste ano, 9% em janeiro de 2025 e 5,16% em maio de 2026

Mateus Omena
Mateus Omena

Repórter da Home

Publicado em 14 de junho de 2024 às 16h47.

Última atualização em 14 de junho de 2024 às 16h59.

Tudo sobreGoverno Lula
Saiba mais

Após nova reunião com o governo federal nesta sexta-feira, 14, os professores de universidades e institutos federais decidiram manter a greve que já completa dois meses e paralisou as aulas em 61 unidades de ensino.

O encontro começou nesta manhã e, ao seu término, os servidores afirmaram que reconhecem a disposição dos ministérios da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos e da Educação para negociar, mas permanecem insatisfeitos com as propostas apresentadas.

O governo do presidente Lula ofereceu a professores a revogação de decisões tomadas pelo ex-presidente Jair Bolsonaro.

Segundo o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN), o Executivo propôs o fim da portaria 983, que estabeleceu um aumento da carga horária mínima a ser cumprido pelos docentes em sala de aula e, ainda, instituiu obrigatoriamente o controle de frequência por meio do ponto eletrônico.

Também foi oferecido o fim da instrução normativa 66, que limita promoções e progressões de docentes, segundo os grevistas.

Exigências

O governo não apresentou proposta de reajuste salarial para 2024, o que incomodou o sindicato, que reivindica aumento de 3,69% em agosto deste ano, 9% em janeiro de 2025 e 5,16% em maio de 2026.

A gestão de Lula falou também de reajuste em 9% em janeiro de 2025 e 3,5% em maio de 2026, além de reestruturação na progressão entre os níveis de carreira. Mesmo assim, os professores optaram por seguir com a paralisação.

Calculado com o reajuste de 9% concedido em 2023, a proposta de valorização da carreira do professor até 2026 teria aumento em torno de 28,2% para professores. 43% seria para o cargo que ganha menos.

O aumento ficaria acima da inflação projetada para o período 2023 a 2026, que varia de 15% a 18%. O salário inicial de um docente com doutorado passaria para R$ 13,7 mil. Em abril de 2023, um professor em início de carreira, atuando 40 horas, recebia R$ 9,9 mil. Enquanto o salário para professor titular, no topo da carreira, passaria de R$ 20,53 mil (valor de abril de 2023) para R$ 26.326 em 2026.

Próximos passos

Na próxima semana, as propostas do governo federal serão avaliadas em assembleias nas universidades para que os professores decidam se são suficientes para encerrar a greve. A expectativa é que haja uma recusa da oferta e a continuidade da pressão por aumentos salariais.

Diante da situação, o governo lançou nesta segunda-feira, 10, um Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) destinado às universidades federais e hospitais universitários, com um investimento previsto de R$ 5,5 bilhões.

O ministro da Educação, Camilo Santana, também declarou que haverá aumento nos recursos para as instituições federais, totalizando R$ 400 milhões. Desse montante, R$ 279,2 milhões serão destinados às universidades e R$ 120,7 milhões aos institutos federais.

Com isso, o orçamento para 2024 das instituições de ensino atinge R$ 6,38 bilhões, superando os R$ 6,26 bilhões de 2023.

(Com informações de O Globo)

Acompanhe tudo sobre:EducaçãoGrevesLuiz Inácio Lula da SilvaReajustes salariais

Mais de Brasil

No ritmo atual, universalização do sanemento no Brasil só acontecerá em 2070, aponta estudo

Senado informa ao STF que deve votar projeto de renegociação da dívida dos estados em agosto

Aeroporto Salgado Filho retoma embarques e desembarques a partir de hoje; veja como vai funcionar

Mais na Exame