Brasil

Presidente da Brookfield reclama de negócios no Brasil

A Brookfield tem participação na Arteris S.A., que opera diversas rodovias brasileiras. Segundo Lopes, o tráfego de caminhões caiu 10% nessas vias


	Obra da construtora Brookfield em São Paulo: "Isso é uma pancada no fluxo de caixa, e nossa companhia tem um volume de investimentos enorme por obrigação dos contratos de concessão", afirmou o executivo
 (Germano Lüders/EXAME.com)

Obra da construtora Brookfield em São Paulo: "Isso é uma pancada no fluxo de caixa, e nossa companhia tem um volume de investimentos enorme por obrigação dos contratos de concessão", afirmou o executivo (Germano Lüders/EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 23 de novembro de 2015 às 14h07.

Rio - O presidente do Conselho de Administração da Brookfield, Luis Ildelfonso Simões Lopes, afirmou nesta segunda-feira, 23, que grande parte dos negócios da incorporadora vive um momento delicado diante da crise econômica.

"A maior parte dos nossos negócios atravessa momento difícil. Até mesmo negócios que parecem extremamente fáceis", disse durante palestra no evento "Reavaliação do Risco Brasil", promovido pelo Centro de Economia Mundial da Fundação Getulio Vargas (FGV).

A Brookfield tem participação na Arteris S.A., que opera diversas rodovias brasileiras. Segundo Lopes, o tráfego de caminhões caiu 10% nessas vias.

"Isso é uma pancada no fluxo de caixa, e nossa companhia tem um volume de investimentos enorme por obrigação dos contratos de concessão", afirmou o executivo.

Lopes criticou a burocracia e as dificuldades para obter licenciamentos de empreendimentos no País.

"Não somos sadomasoquistas. Continuamos a tentar, insistindo em fazer investimentos no País, aumentar nosso negócio, mas é difícil. Em alguns momentos é uma coisa kafkiana, ter que pedir para gerar empregos", disse.

"Apenas para planejamento fiscal temos quatro vezes mais gente que em outras operações. Isso é de uma ineficiência inaceitável. Não é isso certamente que garante a arrecadação", criticou o executivo.

Apesar da crise, Lopes garantiu que os investimentos em curso no País serão mantidos. Segundo ele, o grupo tem trabalhado como nunca, apesar do cenário desfavorável, sustentado pela esperança de que as dificuldades que atingem o País sejam passageiras.

"Até lá (o fim da crise atual) a gente vai continuar não só esses investimentos que estão em andamento, mas estaremos fazendo outros, numa demonstração clara de que, no longo prazo, nós temos muitas oportunidades", afirmou o executivo.

Acompanhe tudo sobre:BrookfieldConstrução civilCrise econômicaEmpresasFGV - Fundação Getúlio Vargas

Mais de Brasil

Chuva deve voltar ao Rio Grande do Sul nesta segunda-feira

Apenas 11% das escolas têm internet na velocidade certa, diz pesquisa

Julgamento que pode cassar Jorge Seif ficará para Cármen Lúcia após saída de Moraes do TSE

Rio Grande do Sul: Defesa Civil contabiliza 200 toneladas de alimentos doados

Mais na Exame