Brasil

Pará decreta toque de recolher na Grande Belém para frear coronavírus

O Estado está com 81,91% das UTIs, e 62,23% dos leitos clínicos exclusivos aos pacientes com covid-19 ocupados na rede pública

Pará: as regras mais severas foram anunciadas, no fim da noite desta terça-feira pelo governador do Pará Helder Barbalho (Silvio AVILA/AFP)

Pará: as regras mais severas foram anunciadas, no fim da noite desta terça-feira pelo governador do Pará Helder Barbalho (Silvio AVILA/AFP)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 3 de março de 2021 às 12h40.

Na tentativa de frear o avanço do novo coronavírus, o governo do Pará vai endurecer as medidas restritivas na região metropolitana de Belém a partir desta quarta-feira, 3. Entre as novas medidas, está o toque de recolher de 22h até as 5h, exceto para pessoas com justificativas no âmbito profissional ou com receitas médicas em busca de atendimento hospitalar. O Estado está com 81,91% das UTIs, e 62,23% dos leitos clínicos exclusivos aos pacientes com covid-19 ocupados na rede pública.

O decreto com as normas deve ser publicado na manhã desta quarta no Diário Oficial do Estado, tendo efeito imediato. Ficam proibidas aglomerações com mais de dez pessoas em locais públicos e privados; práticas esportivas com mais de duas pessoas e apresentações musicais com mais de dois artistas. Além disso, restaurantes, lanchonetes e estabelecimentos similares poderão funcionar com 50% da capacidade, restrito até as 18h.

A venda de bebidas alcoólicas também passa a ser proibida após as 18h. Sendo assim, lojas de conveniência, supermercados e mercados podem comercializar bebidas até este horário. As decisões do governo do Estado foram tomadas em conjunto com as prefeituras que integram a Grande Belém, diante do possível colapso na rede pública e privada.

As regras mais severas foram anunciadas, no fim da noite desta terça-feira pelo governador do Pará Helder Barbalho (MDB), em coletiva à imprensa. "A segunda onda está mais intensa do que a primeira onda no Brasil. Não devemos esquecer dos momentos traumáticos que vivemos na última semana de março e a primeira de abril do ano passado", lembrou o governador, referindo-se ao fechamento das portas de hospitais públicos e privados no Pará. "Não é fácil está aqui anunciando as medidas, mas devemos ser responsáveis e ter empatia. Nossa obrigação agora é evitar o caos", afirmou.

As novas regras devem valer, no primeiro momento, por sete dias. "Em uma semana, queremos voltar aqui e dizer que as medidas foram suficientes para conter o avanço dos casos. Somos solidários aos trabalhadores que ficarão sem trabalhar à noite, neste período", enfatizou o governador.

Ao lado de Barbalho, estavam os prefeitos de Belém, Edmilson Rodrigues (PSOL) e o Dr. Daniel Santos (MDB), de Ananindeua, as duas maiores cidades da região metropolitana. Demais prefeitos de municípios vizinhos também participaram do anúncio. "Belém acompanha o número de ocupação de leitos do Estado, mas nossa preocupação é que em quatro dias, não tenha mais nenhum disponível. Em três dias, tivemos um aumento de 20% e isso é muito preocupante", alertou Edmilson.

Acompanhe tudo sobre:BelémCoronavírusPandemiaPará

Mais de Brasil

Tarcísio estima economia de R$ 1,7 bi por ano com auditoria de aposentadorias e prova de vida

Às vésperas de posse na Petrobras, Magda Chambriard já dá expediente na companhia

PF pede inquérito contra Chiquinho Brazão por suspeita de desvio de emendas parlamentares

Claudio Castro é absolvido após TRE-RJ formar maioria contra cassação

Mais na Exame