Acompanhe:

Há 31 anos em obras, Angra 3 entra na mira da Lava Jato

Investigação aponta que esquema de corrupção não estava restrito à Petrobras; Usina Angra 3 é a primeira obra de fora da petroleira a entrar na mira da Lava Jato

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Funcionário da Andrade Gutierrez em obra da Angra 3: empresa está na lista de suspeitas pagar propina a presidente afastado da Eletronuclear
 (Divulgação/Eletronuclear/Divulgação)

Funcionário da Andrade Gutierrez em obra da Angra 3: empresa está na lista de suspeitas pagar propina a presidente afastado da Eletronuclear (Divulgação/Eletronuclear/Divulgação)

T
Talita Abrantes

Publicado em 3 de agosto de 2015 às, 16h45.

São Paulo – Trinta e quatro anos. Se as projeções do governo se confirmarem, este será o tempo que a Usina Angra 3 terá levado para sair do papel.

A construção, que começou a ser erguida em 1984, ficou duas décadas parada devido a problemas econômicos e à desaceleração do programa nuclear brasileiro, após o acidente em Chernobyl, na Ucrânia.

Em 2010, as obras foram retomadas e a expectativa era de que ficassem prontas até este ano. Agora, a projeção do governo é que a fase de testes comece só em 2018, mas os desdobramentos da Operação Lava Jato podem alterar esses planos.

As investigações da Polícia Federal apontam que Othon Luiz Pinheiro da Silva, presidente licenciado da Eletronuclear, teria recebido 4,5 milhões de reais em propina em contratos relacionados à obra de Angra 3. Silva foi preso na manhã de hoje.

Os valores teriam sido repassados a Silva entre 2009 e 2014 - ou seja, mesmo após o início das investigações da Polícia Federal sobre o esquema de corrupção da Petrobras.  Veja como a Eletrobras entrou na mira da PF

Os contratos de Angra 3 são os primeiros para além dos limites da Petrobras a entrar na mira da Operação Lava Jato. Ao que tudo indica, as investigações não devem parar na Eletronuclear, que é uma subsidiária da Eletrobras.

No ano passado, a Polícia Federal apreendeu uma planilha do doleiro Alberto Youssef, pivô do escândalo de corrupção da Petrobras, que apresenta detalhes sobre 750 obras de infraestrutura do Brasil.

“A corrupção no Brasil é endêmica e passa por um processo de metástase”, afirmou Athayde Ribeiro Costa, um dos procuradores da Força Tarefa da Lava Jato, diversas vezes durante encontro com a imprensa na manhã desta terça-feira em Curitiba (PR). 

Por ora, a Polícia Federal afirma que este é apenas o começo das investigações. "Tem muito ainda a ser apurado", disse o delegado Igor Romário de Paula durante encontro com a imprensa. 

*Atualizado no dia 29 de julho às 9h30 para alterar o título 

Últimas Notícias

Ver mais
Troca de comando e Projeto Cerrado em ação: a nova fase da Suzano pós-Schalka
Exame IN

Troca de comando e Projeto Cerrado em ação: a nova fase da Suzano pós-Schalka

Há 15 horas

Com 4º tri "de ouro", lucro da C&A dobra e bate (com folga) previsão do mercado 
Exame IN

Com 4º tri "de ouro", lucro da C&A dobra e bate (com folga) previsão do mercado 

Há 17 horas

Golpe do “falso investimento”: entenda como os golpistas agem para evitar a fraude
seloMinhas Finanças

Golpe do “falso investimento”: entenda como os golpistas agem para evitar a fraude

Há um dia

Após 4 anos, STF arquiva inquérito que mirava Aécio por supostas propinas da OAS
Brasil

Após 4 anos, STF arquiva inquérito que mirava Aécio por supostas propinas da OAS

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais