Brasil

Nunes Marques, do STF, prorroga negociação entre governo federal e Eletrobras

Executivo quer aumentar presença no Conselho de Administração da empresa

Nunes Marques, ministro don STF (Fellipe Sampaio/SCO/STF/Divulgação)

Nunes Marques, ministro don STF (Fellipe Sampaio/SCO/STF/Divulgação)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 4 de abril de 2024 às 17h07.

O ministro Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal (STF), prorrogou por mais três mês a tentativa de conciliação entre o governo federal e a Eletrobras na ação que discute um aumento da presença da União no Conselho de Administração da companhia.

No fim do ano passado, Marques já havia concedido três meses para as negociações, mas agora a Advocacia-Geral da União (AGU) solicitou o aumento do prazo. A empresa concordou com a prorrogação.

Ao atender o pedido, o ministro afirmou que a questão debatida é "substancialmente complexa" e que uma eventual solução "repercutirá de forma significativa na ordem econômica e social do Estado brasileiro".

No ano passado, o governo ingressou com uma ação direta de inconstitucionalidade no STF questionando o trecho da lei que autorizou a privatização da Eletrobras e que proíbe acionistas de exercerem votos em número superior a 10%. Pelo modelo de privatização, o governo tem apenas um representante do colegiado.

Diante das pressões do governo, a Eletrobras já teria aceitado, segundo o colunista Lauro Jardim, ampliar o número de representantes no Conselho, de nove para 11, sendo dois indicados pela União. Seria uma forma de acomodar os candidatos do governo no colegiado. Mas o Planalto pleiteia ter quatro assentos.

Acompanhe tudo sobre:Supremo Tribunal Federal (STF)EletrobrasGoverno Lula

Mais de Brasil

Greve nas universidades federais: o que reivindicam os professores e quais são as ofertas do governo

Enel confirma a Lula investimento de R$ 20 bi para acabar com apagões

Enchentes paralisaram 63% das indústrias gaúchas, revela pesquisa

Prejuízos com chuvas no RS superam R$ 12 bilhões; setor habitacional é o mais afetado

Mais na Exame