Acompanhe:

O ministro da Educação, Camilo Santana, e o relator do projeto de reformulação do Novo Ensino Médio, deputado Mendonça Filho (União-PE), voltaram a conversar, após mais de dois meses, sobre a implementação das mudanças na etapa de ensino. O tema gerou desgaste ao governo no final do ano passado e agora é uma das prioridades de Lula. A congressistas, o titular da pasta reconheceu falhas na articulação do tema em 2023.

Ex-ministro da Educação do então presidente Michel Temer e responsável pela reforma inicial do Ensino Médio, Mendonça Filho apresentou o relatório do projeto em dezembro de 2023 contendo alterações importantes na proposta original apresentada por Santana. O principal entrave no texto é a definição da carga horária para as disciplinas e ainda não há acordo.

O ministro de Lula e o parlamentar se reuniram pela última vez em dezembro, quando o projeto chegou a tramitar na Câmara em regime de urgência. O texto foi retirado de pauta na última sessão da Casa em 2023, em uma manobra do governo para evitar derrota no plenário.

O texto de Mendonça Filho prevê ampliação da jornada da parte comum, a Formação Geral Básica, mas fica abaixo da proposta apresentada pelo MEC: assim, os alunos teriam 2,1 mil horas de matérias obrigatórias, com possibilidade da utilização de 300 dessas horas para ensino técnico. O projeto original do MEC era de 2,4 mil horas, com exceção do ensino técnico, que teria um piso de 2,1 mil horas.

O relatório também desobriga os estados a fornecer aulas de língua espanhola e os libera a oferecer aulas à distância, propostas que contrariam o projeto do governo.

Encontro no Congresso

Em evento da bancada da educação no Congresso nesta quarta-feira, 28, Santana reforçou estar aberto ao diálogo, mas disse esperar que a proposta formulada pelo governo seja considerada na íntegra. O ministro mandou mensagem para o relator marcando uma nova reunião para tentar chegar a um acordo.

O ministro admitiu aos parlamentares “ter falhado” na aproximação com a bancada e congressistas ao longo do ano passado.

— Peço desculpa. Quero me aproximar neste ano — completou.

Segundo Santana, o ministério trabalha para aprovar as mudanças no Ensino Médio ainda no primeiro semestre para permitir a implantação em 2025.

— É fundamental a aprovação ainda neste semestre na Câmara e no Senado (...) Até porque para implementar as mudanças no Ensino Médio para 2025, elas precisam ser aprovadas neste semestre, porque precisa ter tempo para as redes se prepararem para mudanças.

A expectativa dos congressistas é votar o texto até março. De acordo com o deputado Rafael Brito (MDB-AL), que assumiu a presidência da Frente Parlamentar Mista de Educação nesta quarta-feira, o esforço para cumprir o prazo estipulado vem do próprio presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

— O presidente Arthur Lira está conversando sobre esse assunto. É um assunto caro ao governo, é um assunto caro ao MEC e eles estão conversando para ver onde pode ser flexibilizado — disse Brito, completando que a perspectiva de aceitação a novos acordos aumentou “de ambos os lados”.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Governo apresenta nova proposta para servidores da educação, com 9% de reajuste em 2025
Brasil

Governo apresenta nova proposta para servidores da educação, com 9% de reajuste em 2025

Há 17 horas

Ministério Público cobra explicações do governo de SP sobre uso do ChatGPT para produzir aulas
Brasil

Ministério Público cobra explicações do governo de SP sobre uso do ChatGPT para produzir aulas

Há 18 horas

Governo se reúne com professores e servidores federais em greve para discutir revisão de carreira
Brasil

Governo se reúne com professores e servidores federais em greve para discutir revisão de carreira

Há 23 horas

Bússola Poder: que língua fala o Congresso Nacional?
Um conteúdo Bússola

Bússola Poder: que língua fala o Congresso Nacional?

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais