Acompanhe:

Não abro mão do texto aprovado e acabou, diz Onyx Lorenzoni

"Não estou frustrado, mas feliz. O tempo dá condição de que a racionalidade esteja acima de outros interesses", disse o relator do pacote anticorrupção

Modo escuro

Continua após a publicidade
Onyx: líderes consideram que o adiamento dará tempo para que se amplie a pressão dentro da Casa contra o relatório de Onyx Lorenzoni (Facebook/Divulgação)

Onyx: líderes consideram que o adiamento dará tempo para que se amplie a pressão dentro da Casa contra o relatório de Onyx Lorenzoni (Facebook/Divulgação)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 24 de novembro de 2016 às, 16h15.

Última atualização em 31 de outubro de 2018 às, 12h12.

Brasília - Relator do pacote anticorrupção, o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) minimizou nesta quinta-feira, 24, o adiamento da votação da proposta no plenário da Casa para a próxima terça-feira, 29.

"Não estou frustrado, mas feliz. O tempo dá condição de que a racionalidade esteja acima de qualquer outro interesse", afirmou à reportagem, logo após o anúncio da nova data, proferido pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Questionado se a ampliação do prazo não abriria espaço para uma maior interferências de parlamentares contrários ao texto, o relator emendou: "Não abro mão do texto que foi aprovado e acabou".

Nos bastidores, líderes ouvidos pela reportagem consideram, contudo, que o adiamento dará tempo para que se amplie a pressão dentro da Casa contra o relatório de Onyx Lorenzoni.

Diante desse cenário, alguns parlamentares não descartam a possibilidade, inclusive, de não se votar na próxima semana.

A possibilidade de adiamento da votação ganhou corpo ao longo do dia em meio a várias reuniões realizadas no gabinete de Maia.

"Ninguém se entende. Cada uma apresenta uma sugestão diferente. Eu, na minha opinião, acho que não devemos votar isso de forma açodada", afirmou o líder do PP, Aguinaldo Ribeiro (PB), após deixar um dos encontros.

"Não tem um texto. Está uma bagunça geral", afirmou Vicente Cândido (PT-SP). "Foi melhor o adiamento porque estava confuso", disse Vanderlei Macris (PSDB-SP).

Últimas Notícias

Ver mais
Comissão aprova parecer de PEC que amplia isenção tributária a igrejas em acordo com governo
Economia

Comissão aprova parecer de PEC que amplia isenção tributária a igrejas em acordo com governo

Há 10 horas

Comissão da Câmara deve analisar PEC que amplia imunidade tributária para igrejas e partidos
Economia

Comissão da Câmara deve analisar PEC que amplia imunidade tributária para igrejas e partidos

Há 17 horas

Câmara lista 16 projetos sobre regulação de ferramentas de monitoramento
Brasil

Câmara lista 16 projetos sobre regulação de ferramentas de monitoramento

Há um dia

Com acarajé e sarapatel, Rui Costa tenta conquistar apoio de Arthur Lira
Brasil

Com acarajé e sarapatel, Rui Costa tenta conquistar apoio de Arthur Lira

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais