Brasil

MPF vai recorrer de decisão que determina desocupação da UnB

Na justificativa, o órgão vai impugnar o tipo de recurso utilizado para questionar a legalidade da ocupação

UnB: em nota, o MPF no Distrito Federal também declarou que está acompanhando os desdobramentos da ocupação (Paulo Castro/UnB Agência/Divulgação)

UnB: em nota, o MPF no Distrito Federal também declarou que está acompanhando os desdobramentos da ocupação (Paulo Castro/UnB Agência/Divulgação)

AB

Agência Brasil

Publicado em 22 de novembro de 2016 às 15h32.

O Ministério Público Federal (MPF) informou hoje (22) que vai recorrer da decisão da Justiça Federal que determinou a desocupação das instalações da Universidade de Brasília (UnB).

Na justificativa, o órgão vai impugnar o tipo de recurso utilizado para questionar a legalidade da ocupação.

Ontem (22), o juiz federal Itagiba Catta Pretta, da 4ª Vara Federal no Distrito Federal, determinou a desocupação imediata de 15 áreas da universidade que estão ocupadas por estudantes contrários à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55, que impõe teto de gastos para os Três Poderes e está em votação no Senado.

As ocupações na UnB tiveram início no dia 31 de outubro. O juiz atendeu um pedido liminar feito por estudante da universidade.

Em nota, o MPF no Distrito Federal também declarou que está acompanhando os desdobramentos da ocupação por meio de um procedimento interno e pretende mediar uma solução pacífica para o impasse.

De acordo com os procuradores responsáveis pelo caso, a discussão sobre a legalidade da ocupação envolve uma questão complexa sobre o "direito de manifestação do pensamento por meio de atos de ocupação".

"Tal debate deve ser oportunizado, primeiramente, no ambiente acadêmico, sob pena de afrontar mais direitos que preservá-los e de colocar em risco a integridade física das pessoas envolvidas, ameaça que poderá se concretizar se a decisão tomada resultar em desocupação forçada", diz a nota.

Estudantes

Ontem, após a liminar, os advogados que representam os estudantes criticaram a decisão e afirmaram que o juiz "é conhecido por decisões ideológicas de direita, parciais e instrumentais para interesses políticos."

Além disso, os representantes afirmam que a decisão está "sem fundamentação sobre a presença dos pressupostos para a urgência" necessária para a liminar. Os advogados também questionaram a legitimidade jurídica do estudante para recorrer ao juiz.

UnB

Em nota, a Universidade de Brasília (UnB) informou que o reitor em exercício, Luís Afonso Bermúdez, ao receber a notificação da Justiça, emitiu ofício aos estudantes pedindo a saída voluntária no prazo de 36 horas.

Os estudantes que participam do movimento de ocupação de faculdades e edifícios da UnB reunem-se hoje (22), às 18h, em assembleia para decidir se deixam ou não os prédios.

Acompanhe tudo sobre:BrasíliaPEC do TetoUnB

Mais de Brasil

Gonet diz que 'não faz sentido' proibir delação premiada de presos, proposta em discussão na Câmara

STF tem maioria para derrubar pontos da reforma da Previdência que atingem servidores públicos

CCJ do Senado aprova liberação de cassinos, bingos e jogo do bicho

Mais na Exame