Brasil

MP dos ministérios: relator rejeita proposta de conselhos externos nas agências reguladoras

Isnaldo Bulhões fez diversas mudanças na estrutura dos ministérios. Conab, por exemplo, volta para o Mapa

Emenda, proposta pelo deputado Danilo Forte (União Brasil-CE), previa a possibilidade da criação de conselhos temáticos ligados aos ministérios para editar normas relacionadas às agências reguladoras (Leonardo Sá/Agência Senado/Flickr)

Emenda, proposta pelo deputado Danilo Forte (União Brasil-CE), previa a possibilidade da criação de conselhos temáticos ligados aos ministérios para editar normas relacionadas às agências reguladoras (Leonardo Sá/Agência Senado/Flickr)

Izael Pereira
Izael Pereira

Reporter colaborador, em Brasília

Publicado em 23 de maio de 2023 às 13h23.

Última atualização em 23 de maio de 2023 às 15h12.

O relator da medida provisória (MP) que reestrutura a organização administrativa do Executivo e fixa o número de ministérios em 31, além de seis órgãos com status de ministério, num total de 37 ministros, Isnaldo Bulhões (MDB-AL), rejeitou a emenda que previa que conselhos externos pudessem deliberar sobre atos normativo e regulação de setores da indústria junto às agências reguladora. No parecer apresentado nesta terça-feira, 23, Bulhões considerou a proposta inconstitucional. Leia a íntegra do relatório (https://legis.senado.leg.br/sdleg-getter/documento?dm=9366261&ts=1684855698068&disposition=inline).

A emenda, proposta pelo deputado Danilo Forte (União Brasil-CE), previa a possibilidade da criação de conselhos temáticos ligados aos ministérios para editar normas relacionadas às agências reguladoras.

Entidades representativas ligadas aos setores regulados criticam a emenda de Danilo Forte ao texto por considerarem que a proposta provocaria esvaziamento do poder das agências reguladoras.

Como a emenda não foi acatada pelo relator, o deputado Danilo Forte pretende apresentar um destaque, ou seja, colocar a emenda para votação em separado do texto principal. A reunião da comissão mista que analisa a MP foi adiada e deve ocorrer amanhã para uma nova tentativa de votação do texto.

Mudanças na estrutura dos ministérios

Bulhões fez uma série de mudanças na estrutura das pastas, mudando alguns órgãos e funções de lugar. O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), por exemplo, deixa o Ministério da Fazenda e volta ao Banco Central, a política de preços agrícolas sai do Desenvolvimento Agrário e vai para o Ministério da Agricultura e a demarcação de terras indígenas, levada ao Ministério dos Povos Indígenas, fica com a Justiça.

As mudanças feitas por ele provocaram esvaziamento das funções do Ministério do Desenvolvimento Regional comandado pelo petista Paulo Teixeira. Bulhões praticamente transferiu a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para a pasta da Agricultura, comandada por Carlos Fávaro (PSD), deixando poucas atribuições no ministério recriado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, neste ano.

As principais alterações na MP

  • Atribuições saem do Desenvolvimento Agrário e passam para a Agricultura. Entre eles a política agrícola, comercialização, abastecimento, armazenagem e garantia de preços mínimos;
  • A demarcação de terras indígenas, que estava no Ministério dos Povos Indígenas, passa a ser atribuição do Ministério da Justiça;
  • Ministérios das Cidades fica com a promoção de ações e programas de urbanização, de habitação e de saneamento básico e ambiental, incluída a zona rural, de transporte urbano, de trânsito e de desenvolvimento urbano;
  • A atribuição do Cadastro Ambiental Rural (CAR) sai do Ministério do Meio Ambiente e vai para o Ministério da Gestão;
  • A Agência Nacional das Águas (ANA) passa a ser vinculada ao Ministério do Desenvolvimento Regional, antes estava no Meio Ambiente;
  • A Política Nacional de Recursos Hídricos vai para o Desenvolvimento, antes estava no Des MIDR;
  • Coaf sai da competência do Ministério da Fazenda e vai para o Banco Central;
  • Fundação Nacional de Saúde (Funasa) fica extinta pelo relatório.

O Ministério do Meio Ambiente, de Marina Silva, também sofreu esvaziamento. Ela perdeu a atribuição do Cadastro Ambiental Rural (CAR), que foi para o ministério da Gestão, e também a gerência sobre a Agência Nacional das Águas (ANA), que foi para o Ministério do Desenvolvimento Regional.

Já o ministério dos Povos Indígenas perdeu uma de suas funções principais, determinada pelo novo governo: da demarcação de terras, que foi para o Ministério da Justiça.

Acompanhe tudo sobre:CongressoCâmara dos Deputados

Mais de Brasil

Pesquisa encontra agrotóxicos em alimentos ultraprocessados com apelo ao público infantil

STF cria marco civilizatório ao proibir exposição de vida sexual de vítima, dizem advogados

Seguradoras irão pagar, no mínimo, R$ 1,6 bilhão em indenizações no Rio Grande do Sul

Governo libera verba extra de R$ 22 milhões para as universidades do RS

Mais na Exame