Brasil

Arcabouço fiscal é prioridade número 1 do Congresso, diz Padilha

De acordo com ministro, o relatório apresentado por Cajado foi "equilibrado e calibrado na combinação de responsabilidade social e fiscal"

Brasília (DF), 04/04/2023 - O ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, durante entrevista coletiva no Palácio do Planalto. (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Brasília (DF), 04/04/2023 - O ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, durante entrevista coletiva no Palácio do Planalto. (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 23 de maio de 2023 às 19h39.

O Ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, afirmou que a prioridade do governo no Congresso é concluir a votação da proposta enviada pela equipe econômica do novo arcabouço fiscal, sustentando o parecer do relator da matéria, Cláudio Cajado (PP-BA). A expectativa do governo, segundo ele, é uma "votação importante" agregando, inclusive, parlamentares partidos de oposição.

As declarações foram dadas pelo ministro logo após reunião com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que despacha do Palácio da Alvorada nesta terça-feira, 23. Padilha afirmou que o chefe do Executivo fez um balanço "muito positivo" do encontro do G7, que foi realizado no Japão.

Entenda

De acordo com Padilha, o relatório apresentado por Cajado foi "equilibrado e calibrado na combinação de responsabilidade social e fiscal". Para o ministro, o relatório está "tão calibrado que tem propostas adicionais de quem quer expandir gastos e de quem quer restringir". "O que mostra que o relatório dele é bom, está exatamente na combinação perfeita, no esforço de combinação da responsabilidade social e fiscal."

Diante disso, Padilha afirmou que o "espírito" é da manutenção daquilo que foi apresentado nas últimas reuniões entre a Câmara e o governo. "Temos expectativa de uma votação importante", declarou o ministro, agradecendo a mobilização na Câmara dos Deputados pela votação da urgência e do mérito nesta semana e a votação dos partidos de oposição.

"Existe um ambiente no Congresso Nacional para aprovação do marco fiscal, acredito que esse ambiente foi reforçado pelo relatório apresentado", pontuou.

Acompanhe tudo sobre:Novo arcabouço fiscalAlexandre PadilhaGoverno LulaCongresso

Mais de Brasil

Mendonça sugere que multa de leniências da Lava Jato seja usada para ajudar o RS

Tarcísio estima economia de R$ 1,7 bi por ano com auditoria de aposentadorias e prova de vida

Às vésperas de posse na Petrobras, Magda Chambriard já dá expediente na companhia

PF pede inquérito contra Chiquinho Brazão por suspeita de desvio de emendas parlamentares

Mais na Exame